Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Padre Valdir defende que educação nas prisões ensine a pensar e transmita valores

 em Notícias

Padre_Valdir_livros“Educação para pessoas privadas de liberdade” é o tema de uma das reportagens da mais recente edição da Revista da Associação Nacional de Educação Católica do Brasil – ANEC (www.anec.org.br). Para tratar do assunto, o Padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária foi um dos entrevistados.

CLIQUE E LEIA A ÍNTEGRA DA REPORTAGEM

Padre Valdir enfatizou que não basta uma educação nas prisões que se limite a transmitir informações para o mercado de trabalho e de consumo, mas sim uma educação com valores, ensinando a pensar, contemplando a ética e a sociologia, aplicadas como matérias transversais durante toda a aprendizagem: do fundamental ao nível superior.

“É necessária uma formação integral, além do pedagogo, do psicólogo e do assistente social juntos, ajudando na sala de aula”, opinou o Padre.

Ainda segundo o coordenador nacional da Pastoral Carcerária, o Ministério da Educação e as universidades têm um desafio de qualificação humana, social, formação da cidadania e do engajamento, o que possibilitaria a diminuição das desigualdades econômicas e sociais que são, no fundo, as grandes causas das prisões.

O Padre considera positivo que haja instrumentos legais como a remição de pena por estudo ou por leitura de livros. “Tudo que for feito para reduzir o tempo de prisão, para que os efeitos nocivos sejam menores sobre o preso e a sociedade, é válido”, avaliou Padre Valdir.

De acordo com a reportagem, conforme a Lei de Execução Penal (LEP) é possível que o preso obtenha remissão de pena por trabalho ou por estudo, sendo que neste último caso, o detento pode ter descontado um dia de pena a cada doze 12 horas de frequência escolar, divididas em, no mínimo, em três dias.

“A remição de pena por leitura consiste em conceder ao apenado a redução de quatro dias de sua pena total, caso ele pratique a leitura de obra clássica, literária ou filosófica no período de trinta dias. A leitura das obras literárias, disponíveis na unidade, deve ser monitorada por uma comissão formada no sistema prisional, avaliada por profissionais da educação e, ao final do período de leitura, o apenado deverá confeccionar uma resenha”, detalha o texto.

Também ouvido pela Revista da ANEC, Fábio Mallart, agente da Pastoral Carcerária que tem ajudado na avaliação das resenhas, considerou fundamental o instrumento da remição de pena por leitura. “É preciso lembrar que a leitura se constitui como uma atividade educacional que, entre outros efeitos, produz certa liberdade de pensamento, algo que é extremamente importante se atentarmos para a dinâmica opressora que caracteriza as prisões”.

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário