Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Especialistas defendem oferta de educação nas prisões em mais de um turno

 em Notícias

Presos_estudantes (1)Em entrevista ao Observatório da Educação, Mariângela Graciano, professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e Henrique Finoti, agente Defensoria Pública do Estado de São Paulo, elencam uma série de desafios a serem enfrentados pelo Plano Estadual de Educação nas Prisões de São Paulo e defendem que o documento falha ao não propor a oferta de educação em mais de um turno.

Os entrevistados criticam a primazia do trabalho sobre o estudo contida no documento. “Não se trata de opção, como se a população carcerária gostasse mais de ir às oficinas de trabalho do que à escola. Isso não existe; é um imperativo econômico e social. Por se tratar como se fosse uma opção, é como se o Estado não tivesse a responsabilidade de dar resposta a essa questão”, alerta Mariângela.

Para viabilizar que os presos que exercem atividades de trabalho possam também estudar, Henrique defende a oferta de educação em mais turnos: “é uma questão muito importante para não haver prejuízo da manifestação de interesse de todos os presos em estudar”, defende.

Segundo Mariângela, também é necessário que se amplie a difusão de informações sobre oferta educacional e o sistema de computo da remissão de pena. Pela legislação atual, a cada três dias de atividades educacionais, a pena é reduzida em um dia.

Infraestrutura

Finoti alerta também para a importância de se contemplar, no Plano, um eixo que trate da infraestrutura, que trace perspectivas de parcerias para a criação e reforma de espaços de sala de aula. “Se o objetivo a longo prazo é universalizar essa oferta isso deveria estar previsto”, comenta.

Para a pesquisadora, outro desafio que se coloca é a valorização docente. “Se a gente olhar as propostas que surgiram a partir da consulta à minuta do Plano, nas considerações finais, o que mais aparece é a efetivação dos professores que atuam nas prisões, que os profissionais da educação tenham direitos trabalhistas”.

Fonte: Observatório da Educação

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário