Prova obtida em presídio por meio de revista vexatória é nula, decide TJ-SP