Familiares e PCr de MG fazem protesto após morte de jovem por COVID-19 em presídio

 Em Combate e Prevenção à Tortura, Notícias

No último domingo (05) familiares de presos e organizações parceiras, como a Pastoral Carcerária, realizaram um protesto no município de Manhumirim (MG) para denunciar o descaso com a saúde dos presos, infectados com COVID-19, que já resultou na morte de um preso.

Lucas Morais, de 28 anos, estava preso há dois anos, aguardando julgamento e morreu no sábado.

Segundo comunicado do Depen, dos 210 presos que se encontram na prisão, 160 estão infectados com o coronavírus. Eles não demonstram sintomas, mas estão isolados e recebendo tratamento da equipe de saúde, afirma o órgão.

Uma das familiares, com o relatório médico de seu filho em mãos, questionou os cuidados que supostamente vem sendo tomados pela direção da prisão em relação à saúde dos presos.

“O médico que assinou esse relatório, que diz que meu filho tem condições de receber tratamento dentro do presídio, vai se responsabilizar se meu filho morrer? Ele sente dor nos olhos, tosse, diarreia e fraqueza há quatro dias. Eu consegui um papel timbrado do presídio, afirmando que meu filho está com coronavírus. Eles querem mais o que? Me entregar um corpo, como entregaram para a família ontem?”

Com cartazes pedindo justiça e em solidariedade às famílias, a Pastoral Carcerária local caminhou ao lado das famílias.

O presídio de Manhumirim concentra quase a metade dos presos infectados nas cadeias de Minas Gerais, segundo levantamento do site G1. Até a quarta-feira (8), 324 detentos no estado estavam doentes. O sistema prisional em Minas Gerais tem 60 mil presos.

Vale lembrar, como a Pastoral Carcerária Nacional tem afirmado, que o número de casos provavelmente é muito maior do que vem sendo divulgado, já que apenas cerca de 17.062 testes teriam sido realizados em todo o país, o que representa apenas 2,28% da população carcerária.

DEIXE UM COMENTÁRIO