Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Relatório da Anistia Internacional detalha torturas extremas a presos no Vietnã

 em Notícias

Sozinhos, em celas escuras, fedidas, sem ar puro, água limpa ou saneamento básico. Esse poderia ser o relato de uma das “celas de castigo” das prisões brasileiros, mas desta vez o sistema carcerário em questão é o do Vietnã, no continente asiático.

Em julho, a Anistia Internacional lançou o relatório “Prisons within Prisons: Torture and ill-treatment of prisoners of conscience in Viet Nam”, que detalha as provações sofridas por prisioneiros de consciência, incluindo períodos prolongados de detenção incomunicável e confinamento solitário, desaparecimentos forçados, privação de tratamento médico e punitivas transferências de prisão.

CLIQUE E LEIA A ÍNTEGRA DO RELATÓRIO (EM INGLÊS)

O relatório é baseado em pesquisa com mais de 150 horas de entrevistas com 18 ex-prisioneiros de consciência [pessoas presas por conta de sua raça, religião ou posicionamentos políticos], que passaram de um mês e uma década submetidos a tratamentos degradantes nas prisões do Vietnã, país que, por mais contraditório que pareça, ratificou a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura em 2015, ou seja, não deveria adotar tais práticas desumanas.

Segundo a Anistia Internacional, a tortura e os maus-tratos aos prisioneiros de consciência naquele País é mais intensa entre o período da detenção ao pré-julgamento, quando as autoridades tentam extrair alguma confissão do preso.

É expediente comum “dar um sumiço no preso” nos primeiros meses ou até nos primeiros anos de detenção. A família fica sem saber do paradeiro dos presos, que muitas vezes são dados como mortos, inicialmente. Durante esse período, diariamente, o preso é interrogado e espancado com paus, tubos de borracha, socos, pontapés e até com choques elétricos.

Também foram relatados casos em que as autoridades prisionais instigavam outros presos a violentar os prisioneiros de consciência. Já “legalmente” presos, lhes era negado o direito ao tratamento médico e, por vezes, eram obrigados pelos agentes penitenciários a consumir drogas ou, estando em estado inconsciente, tinham drogas injetadas em seus corpos.

Na divulgação do relatório, Rafendi Djamin, diretor da Anistia Internacional para o Sudeste da Ásia e Pacífico, foi enfático: “As autoridades do Vietnã deve aproveitar a ocasião em que os códigos penais e procedimentos criminais do país estão sendo revistos. Agora é a hora de restaurar suas obrigações internacionais, processando os responsáveis ​​pela tortura e outros maus-tratos, e garantir o fim destas práticas terríveis”, enfatizou.

Por um mundo sem cárceres

Essa situação no Vietnã mostra, mais uma vez, que em todas as partes do mundo o encarceramento é uma medida punitivista e não restaurativa, ou seja, não é um mecanismo de ressocialização, mas de fomento ao ódio.

Por isso, a PCr Nacional defende veementemente o fim de todos os modelos de encarceramento, um posicionamento em sintonia com a declaração do VI Encontro de Pastoral Carcerária dos países da América Latina e Caribe, em Santo Domingo, na República Dominicana, em 2008.

“Assumimos o sonho de Deus como nossa missão no âmbito das prisões, isto é, em uma realidade que golpeia a todos os setores da população, mas principalmente o mais pobre, dado que a violência é produto da injustiça e todos somos responsáveis pelo sistema de exclusão no qual vivem nossos povos […] Queremos que o sonho de Deus seja nosso sonho: que não existam prisões, para isso há de se transformar o modelo de sociedade imperante em nosso Continente. Vemos fundamental e urgente que os governos de nossos países priorizem e invistam em uma educação pública de qualidade, especialmente para os setores mais pobres e marginalizados”, consta em um dos trechos da declaração.

(Com informações da Anistia Internacional)

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário