Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Realidade do encarceramento em massa é foco da assembleia da PCr de Goiás

 em Notícias

Interna_Goias“Por que o Brasil é hoje, um dos países com a maior população carcerária do mundo?”; “Por que as prisões brasileiras são famosas pelo terror, as torturas, os maus-tratos, as violações dos direitos humanos dos presos e de suas famílias?”; “Por que se enche o sistema prisional brasileiro com os jovens, principalmente negros, moradores das periferias pobres do país?”.

Essas e outras questões permearam as reflexões dos participantes da assembleia estadual da Pastoral Carcerária de Goiás, realizada de 30 de outubro a 1º de novembro, na cidade de São Luiz de Montes Belos (GO).

Os integrantes da PCr, vindos das dioceses de Formosa, Itumbiara, São Luiz de Montes Belos, Goiânia e Goiás, refletiram sobre o tema central “Encarceramento em massa: nossa posição como Pastoral carcerária”, em encontro assessorado pelo Padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária, com a contribuição da Irmã Petra Silvia Pfaller, coordenadora da Pastoral Carcerária para a Questão da Mulher Presa, e Lucas, jovem assessor jurídico da PCr de Goiás.

Segundo Irmã Liberata Magliocchetti, coordenadora estadual da PCr, os participantes constataram “que os meios de comunicação e a organização social que estão no nosso meio favorecem um sistema penal ‘seletivo e punitivo’, que criminaliza os pobres e excluídos, de tal forma que a punição se torna uma política pública de ‘segurança social’. A pergunta é: ‘quem se beneficia com este sistema que está longe de reeducar a quem errou’?”.

Irmã Liberata assegurou que como Pastoral Carcerária do Estado de Goiás, escutando o mandato divino de Jesus de “visitar os presos” (Mt 25,36), “queremos somar forças para lutar na busca de politicas públicas que ofereçam mais formas de sociabilidade e de reeducação, ter um olhar mais misericordioso pelos nossos irmãos e irmãs privados de liberdade, fundamentando-nos na  Palavra de Deus: ‘Lembre-se dos presos, como si você estivesse na prisão com eles. Lembre-se dos que são torturados, pois você têm um corpo’ (Hb 13,3)”, destacou a religiosa.

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário