Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

PCr atua em comissão para fomento da participação social na execução penal

 em Notícias

No Ministério da Justiça, em Brasília, aconteceu entre 6 e 7 de maio, a segunda reunião da Comissão Nacional de Fomento e Participação Social na Execução Penal, com a participação da Pastoral Carcerária (PCr), que foi representada pelo coordenador nacional, padre Valdir João Silveira.

Na oportunidade, o coordenador da Pastoral recordou a experiência dos Ciclos Restaurativos no CDP II de Pinheiros, estruturados em duas etapas: a primeira somente com os presos e a segunda sendo executada com os agentes prisionais.

As reflexões do padre foram feitas em meio a apontamentos sobre como a sociedade deve ser mais participativa na política de execução penal. Uma das posições mais defendidas na reunião é que haja o fortalecimento e a expansão do projeto de Grupo de Diálogo Universidade-Cárcere-Comunidade.

Ouvidorias

Outro assunto da reunião da Comissão Nacional de Fomento e Participação Social na Execução Penal foi sobre os modelos de ouvidoria. Houve intervenções de que é preciso criar um manual de ouvidoria, com conteúdo conceitual e prático. Comentou-se ainda sobre a falta de autonomia financeira das ouvidorias e se discutiu sobre que modelo é desejável: o que restringe as ouvidorias a receber demandas de atribuição do Executivo ou um que abranja todos os órgãos da execução penal.

Padre Valdir citou a experiência positiva da Ouvidoria Independente da Defensoria Pública de São Paulo, e do projeto de lei de ouvidoria independente do sistema prisional da Secretaria de Administração Penitenciária. O coordenador nacional da PCr, sugeriu que haja uma resolução do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) para uniformizar ouvidorias independentes no Brasil.

Durante a reunião também foi informado que as reformas no Código Penal e na Lei de Execução Penal seguem em discussão no Congresso. Houve ainda a leitura de um texto sobre o futuro dos conselhos penitenciários, apontando à necessidade de ampliação de suas atribuições, sob a pena de extinção dos Centros de Operações Penitenciárias (Copens). Sobre estes, os participantes da reunião sugeriram que não restrinjam suas atuações ao sistema prisional, mas alcancem também o próprio sistema de Justiça.

Recommended Posts

Deixe um comentário