Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Entidades manifestam-se sobre projeto de lei de prevenção à tortura

 em Notícias

Na quarta-feira, dia 3, através da nota pública “Combate à Tortura”, nove entidades que atuam na defesa dos direitos humanos, incluindo a Pastoral Carcerária, questionaram  a aprovação, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que cria o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura. Veja à íntegra da nota.

Combate  à Tortura

Projeto votado na Câmara dos Deputados não respeita o Protocolo da ONU

Com relação à aprovação ontem na Câmara dos Deputados do Projeto de Lei que cria o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, as entidades abaixo assinadas lamentam que o projeto votado não tenha incluído um processo seletivo público para a eleição dos peritos que realizarão as visitas, o que compromete a independência dos membros. As organizações acolhem, porém, com satisfação a obrigatoriedade de consulta pública prévia para a escolha dos membros que comporão o Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura.

As entidades vêm manifestar publicamente também sua preocupação com a falta de garantia expressa da faculdade do Mecanismo de realizar visitas independentemente de comunicação prévia. A Câmara além de excluir a garantia expressa de essa faculdade que estava no projeto original, ainda acrescentou ontem a necessidade de aviso da visita ao Mecanismo Estadual – se houver – com 24 horas de antecedência. A não garantia de realização de visitas sem comunicação prévia mina o espírito do Protocolo Facultativo a Convenção conta a Tortura da ONU, pois retira a independência de atuação e exclui o poder dissuasório que visitas surpresas podem ter.

Na etapa final do trâmite do projeto na Câmara, o governo brasileiro agiu de forma sigilosa, na contramão da transparência, para a aprovação deste texto. O texto que foi à votação ontem não foi disponibilizado de forma oportuna para a sociedade civil, impedindo a participação social.

Agora, resta às entidades abaixo assinadas atuar para que o Senado Federal corrija essas graves distorções que afrontam as normas internacionais de combate e prevenção à tortura e as recomendações recebidas pelo Brasil emanadas dos mecanismos da ONU.

Associação dos Cristãos para Abolição da Tortura- ACAT

Associação para Reforma Prisional

Centro pela Justiça e o Direito Internacional – CEJIL

Conectas Direitos Humanos

Instituto de Defesa do Direito de Defesa- IDDD

Instituto Sou da Paz

Instituto Terra Trabalho Cidadania- ITTC

Justiça Global

Pastoral Carcerária

Brasil, 3 de abril de 2013

SAIBA MAIS

Recomendações de mecanismos internacionais sobre o tema

Recomendação formulada pelo Subcomitê de Prevenção à Tortura da ONU (SPT) ao Brasil (2012):17. O SPT recomenda que o Estado Parte realize as mudanças necessárias, de forma a garantir um processo aberto, transparente e inclusivo – em particular com relação à sociedade civil –, com vistas à seleção e indicação dos membros do MPN. O SPT também recomenda que se garanta o balanceamento com relação ao gênero, bem como à representação étnica e de minorias, na composição do MPN. Alinhado com os princípios da cooperação e do diálogo construtivo com os Estados Parte, e em conformidade com o artigo 11(b) (iv), o SPT expressa seu desejo de prestar assistência ao Estado Parte para o estabelecimento do MPN.

(disponível em: http://www.sedh.gov.br/clientes/sedh/sedh/acessoainformacao/acoes-e-programas/relatorio%20spt).

O Brasil recebeu, ainda, cinco recomendações no processo de Revisão Periódica Universal no mesmo sentido (Austrália, Dinamarca, Reino Unido, Suécia e Uzbequistão).

Entenda o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura como está no PL aprovado ontem:

Sistema criado pelo projeto votado ontem cria dois órgãos novos: o Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, (CNPCT) e  o Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT).

Comitê é responsável de dar andamento a implementação das recomendações feitas pelo Mecanismo. É composto por 23 membros, sendo 11 representantes do Poder Executivo Federal e 12 de conselhos de classes profissionais e de organizações da sociedade civil.

Mecanismo de Prevenção e Combate à Tortura realiza visitas regulares aos locais de detenção com o objetivo de fiscalizar a prática de tortura e prevenir e combater tais condutas. Devem propor recomendações para o Estado no sentido da prevenção. É comporto por 11 membros escolhidos pelo Comitê.

Recommended Posts

Deixe um comentário