Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Entre a saudade e a revista vexatória

 em Geral

1010 revista_vexatoria_minasOs depoimentos foram coletados por agentes da Pastoral Carcerária em outubro de 2012 junto a mulheres que, ainda de noite, já estavam na fila da visita em duas unidades prisionais em Minas Gerais. Antes, porém, de se encontrarem com seus familiares presos, o que aconteceria somente na manhã do outro dia, teriam que passar pela revista, com procedimentos que atentam à dignidade humana.

Uma das mulheres resumiu como é feito o procedimento. “Mandam abrir as pernas, abrir o ânus, abrir os cabelos, abaixar por três vezes de frente, três vezes de trás; há uma lanterna para ver o canal. Grávidas, idosas, crianças, todas têm que tirar a roupa”, garantiu.

Todas mesmo, e em todas as circunstâncias, como descreveu uma agente da PCr. “Quando estão menstruadas, sujam o chão de sangue e elas mesmas têm que limpar, sujam as macas também. Uma delas nos disse que para não se sujar, coloca a sua blusa sobre a maca e se deita em cima”.

Nem sempre a sala de revista está devidamente higienizada, como descreve outra agente da PCr, a respeito do expediente de revista vexatória em um dos presídios. “Há o banquinho para detectar metais, mas as mulheres têm que sentar somente de calcinha ou nuas e este banquinho não é limpo entre uma mulher e outra”.

Algumas das mulheres lembraram que, por conta da revista, evitam levar os filhos para as visitas. “Muitas relatam que não levam os filhos para não os exporem a esta situação. Os bebês têm que tirar fralda e crianças a roupa, mas não são tocados”, comenta outra agente da Pastoral.

Quando as mulheres têm filhos ou netos presos precisam “escolher” entre a saudade e a revista vexatória. “Uma senhora disse que na sua idade, nem as filhas a veem pelada, mas na penitenciária estranhas [as funcionárias] podem ver todo o seu corpo. Outra mulher reclamou que além de tudo o que têm de fazer, ainda precisam ouvir comentários sobre suas tatuagens, pintas, etc”, cita outra integrante da PCr.

Recommended Posts

Deixe um comentário