Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Paulo Malvezzi: ‘Mais um capítulo das injustiças contra presos e seus familiares’

 em Combate e Prevenção à Tortura

Após o Tribunal de Justiça de São Paulo anular, em 27 de setembro, os cinco júris populares do chamado massacre do Carandiru – quando em 2 de outubro de 1992, ao menos 111 presos foram mortos em uma operação da Polícia Militar na antiga Casa de Detenção do Estado de São Paulo – representantes de grupos que militam pelos direitos humanos externaram sua insatisfação em entrevista ao Portal UOL.

CLIQUE E LEIA A ÍNTEGRA DA REPORTAGEM DO PORTAL UOL

Para Paulo César Malvezzi Filho, assessor jurídico nacional da Pastoral Carcerária, a decisão é “mais um capítulo das injustiças contra presos e seus familiares”.

“A justificativa do desembargador Sartori [que pediu a absolvição dos 74 PMs envolvidos nas mortes] contém frases repudiantes. Como é que houve ‘legítima defesa’ se muitos foram baleados pelas costas, com tiros na nuca?”, questionou Paulo Malvezzi.

O assessor jurídico da PCr avalia que existe, por parte das entidades públicas, um “acobertamento de massacres” como o ocorrido no Carandiru e afirma que muitos dos parentes dos mortos em 1992 continuam sem indenizações do Estado. “Nada foi feito para que fossem reparados; há um descaso sistemático dentro do sistema prisional, uma desconsideração com a palavra das vítimas”, comentou.

Na quinta-feira, dia 28, a Pastoral Carcerária Nacional manifestou-se sobre a decisão por meio da nota pública O massacre do Carandiru continua!”.

Também para os representantes das organizações Human Rights Watch, Anistia Internacional e Conectas, ouvidas na reportagem, a decisão da 4ª Câmara Criminal do TJ-SP favorece a impunidade. “A decisão de anular o julgamento dos policiais reforça a tese de que a impunidade é a regra no Brasil e reflete a falha do Estado em todas as frentes, quando se trata de investigar e punir abusos cometidos por seus agentes em relação a abusos, torturas e execuções”, declarou a advogada Maria Laura Canineu, diretora da Human Rights Watch no Brasil.

Recommended Posts

Deixe um comentário