Presos devem ter mais acesso à assistência religiosa nas prisões do Mato Grosso do Sul

 Em Notícias

Tratamento Penal Mato Grosso do SulEm visita ao Mato Grosso do Sul, por conta da realização da assembleia estadual da Pastoral Carcerária no início de junho, o advogado Paulo Malvezzi, assessor jurídico nacional da PCr, participou, em 8 de junho, de uma reunião com Ailton Stropa Garcia, diretor-presidente da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen).
Stropa garantiu que a Agepen está analisando mecanismos para aprimorar o trabalho de capelania desenvolvido junto a detentos de Mato Grosso do Sul. Ele assegurou que, em breve, serão promovidas reuniões coletivas com as diferentes denominações religiosas no sentido de equacionar as demandas que forem apresentadas pelos representantes das religiões.
Entre as ações já previstas está a revisão de uma Portaria instituída em 2014 pela Agepen, que regulamenta as regras para o ingresso de agentes religiosos nos estabelecimentos penais de Mato Grosso do Sul. Está em discussão a necessidade de regulamentar o serviço de capelania prisional no Estado, buscando a padronização nos atendimentos, bem como o acompanhamento e a abordagem aos agentes de pastoral.
Além de Paulo Malvezzi, a reunião teve a participação de Zilda Maria Galvão Lima Nação, coordenadora estadual da Pastoral Carcerária. Ambos apresentaram solicitações e sugestões referentes ao acesso dos religiosos aos presos, bem como a necessidade de ações de assistência material, principalmente voltadas às mulheres.
Paulo Malvezzi enfatizou a necessidade de que haja ações efetivas para maior atenção às pessoas presas no Mato Grosso do Sul.
 

(Com informações do site da Agepen)

DEIXE UM COMENTÁRIO