Pastoral Carcerária participa de comissão com o tema “Justiça Restaurativa no cárcere: relatos e experiências”

 Em Justiça Restaurativa, Notícias

A Comissão de Justiça Restaurativa e Cultura de Paz da OAB de Barueri – São Paulo – promoveu nessa terça-feira (18) um encontro virtual com o tema “Justiça Restaurativa no Cárcere: relatos de experiência”. O bate papo é feito mensalmente e conta com a presença de expositores (as) que transitam entre a teoria e a prática da temática.

As duas expositoras convidas foram Luiza Rodrigues, Advogada, e Vera Dalzotto, Assessora de Justiça Restaurativa para a Pastoral Carcerária Nacional. Ambas as convidadas partilharam depoimentos de vivências a partir da luta pelo Mundo sem Cárcere.

Para iniciar o evento, Luiza expôs seu trabalho de doutorado feito a partir das práticas da JR. A advogada promoveu círculos restaurativos nos cárceres femininos e a partir dos resultados analisou o quanto o método somou experiências positivas para as internas e para seu próprio processo de autoconhecimento.

“Dentro da perspectiva da pesquisa eu consolidei o meu pensamento e me consolidei no mundo como forma de me identificar”, destaca Luiza. Um dos maiores desafios para a pesquisadora foi como interpretar e passar adiante o verdadeiro significado de empatia.

Para reforçar as vivências, Vera Dalzotto também partilhou suas histórias e desafios no mundo dos cárceres. Antes de iniciar, a assessora destacou sua presença como representante da Pastoral Carcerária Nacional e atentou os participantes para o lema “Em Busca de um Mundo sem Cárceres”.

“Utopia é realmente apostar que a prisão resolve alguma coisa” destacou. Desde 1997 a agente se dedica a Pastoral e as práticas da Justiça Restaurativa. Seu maior desejo é que os métodos se espalhem por todo o Brasil e que continuem capacitando facilitadores.

Cerca de 30 pessoas estiveram durante o encontro virtual. As vivências relatadas durante o evento se estenderam a novas partilhas vindas dos integrantes da sala. A troca de experiências foi resultado de um ambiente acolhedor pautado nas ideias da Justiça Restaurativa. Este fato enriqueceu o debate que se prolongou além do tempo proposto expressando uma enorme satisfação para todos que estiveram presentes na comissão.

DEIXE UM COMENTÁRIO