Jornada Mundial dos Pobres é lançada oficialmente; confira live do evento e cartilha

 Em Igreja em Saída, Notícias

Foi lançada nesta terça-feira a V Jornada Mundial dos Pobres (JMP). A live de  lançamento do evento pode ser vista abaixo:

No Brasil, adotou-se o tema: “Sentes compaixão?”, um convite a não ter indiferença frente ao sofrimento das pessoas em situação de vulnerabilidade e à crescente pobreza socioeconômica que assola mais 51,9 milhões de brasileiros e brasileiras. O lema bíblico que inspira a celebração desta edição é: “Sempre tereis pobres entre vós”, extraído de Mt. 14, 7.

A V Jornada Mundial dos Pobres será marcada, no país, por uma série de ações que vão do lançamento, no próximo dia 14 de setembro, às 10h, até o Dia Mundial dos Pobres, dia 14 de novembro, com o lançamento do Manifesto pela Vida.

Clique aqui para ler a Cartilha da JMP

A JMP no Brasil é organizada pela Comissão Episcopal Pastoral Sociotransformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em parceria com Pastorais Sociais e organismos da Igreja no Brasil (Semana Social Brasileira, Cáritas Brasileira, Pastoral Carcerária, Pastoral dos Povos de Rua, Pastoral Operária, Pastoral da Mulher Marginalizada, Serviço Pastoral dos Migrantes, Conferência dos Religiosos do Brasil, Conselho Nacional do Laicato do Brasil, Pascom Brasil, Conselho Pastoral dos Pescadores, Signis Brasil e o Setor de Mobilidade Humana da CNBB.

Mensagem do Papa Francisco para a V Jornada Mundial dos Pobres 

Na mensagem para V Jornada Mundial dos Pobres deste ano, publicada em 13 de junho de 2021, o Santo Padre convida a Igreja e a sociedade para não apenas se reconhecer também pobres e “ficar à espera que batam à nossa porta. Para o Papa Francisco, é “urgente ir ter com eles às suas casas, aos hospitais e casas de assistência, à estrada e aos cantos escuros onde, por vezes, se escondem, aos centros de refúgio e de acolhimento… É importante compreender como se sentem, o que estão a passar e quais os desejos que têm no coração”.

O Sumo Pontífice lembra também que “os pobres não são pessoas ‘externas’ à comunidade, mas irmãos e irmãs cujo sofrimento se partilha, para abrandar o seu mal e a marginalização, a fim de lhes ser devolvida a dignidade perdida e garantida a necessária inclusão social”.

Além do mercado que ignora ou discrimina os princípios éticos e cria condições desumanas que se abatem sobre pessoas que já vivem em condições precárias, criando incessantemente armadilhas novas da miséria e da exclusão, produzidas por agentes económicos e financeiros, desprovidos de sentido humanitário e responsabilidade social, o Papa aponta a pandemia como uma praga que multiplicou ainda mais o número de pobres.

Como saídas, o Papa aponta ser urgente dar respostas concretas a quantos padecem o desemprego, que atinge de maneira dramática tantos pais de família, mulheres e jovens. “A solidariedade social e a generosidade de que muitos, graças a Deus, são capazes, juntamente com projetos clarividentes de promoção humana, estão a dar e darão um contributo muito importante nesta conjuntura”, afirma Francisco.

O Papa aponta ainda que a assistência imediata para acorrer às necessidades dos pobres não deve impedir de ser clarividente para atuar novos sinais do amor e da caridade cristã como resposta às novas pobrezas que experimenta a humanidade de hoje.

“Faço votos de que o Dia Mundial dos Pobres, chegado já à sua quinta celebração, possa radicar-se cada vez mais nas nossas Igrejas locais e abrir-se a um movimento de evangelização que, em primeira instância, encontre os pobres lá onde estão”, exorta o Santo Padre em sua mensagem.

DEIXE UM COMENTÁRIO