Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Pastoral Carcerária chama seus agentes à Vigília e Mobilização Nacional contra Massacres e Por um Mundo sem Cárceres

 em Combate e Prevenção à Tortura, Notícias

“O Espírito do Senhor está sobre mim,
porque ele me consagrou com a unção, para anunciar a Boa Notícia aos pobres;
enviou-me para proclamar a libertação aos presos e aos cegos a recuperação da vista;
para libertar os oprimidos, e para proclamar um ano de graça do Senhor.” (Lc 4, 18-19)

Um ano após o maior ciclo de massacres da história do sistema prisional brasileiro, 2018 começou com novas tragédias nas prisões de Goiás e Ceará, deixando um rastro de corpos e famílias destruídas. Porém, longe da atenção do público e da mídia tradicional, o massacre continua à conta-gotas, matando e mutilando presos e presas cotidianamente, tanto mais perverso e cruel quanto mais silencioso e invisível.

Com um crescimento contínuo do número de pessoas presas em condições cada vez mais degradantes – e que já ultrapassou a marca dos 700 mil indivíduos – o aumento da violência e a deterioração das instituições democráticas serão os únicos resultados legados à população brasileira por este processo de encarceramento em massa. Aos poderosos caberá os grandes lucros do aprisionamento, engordados pelas privatizações, o dividendo político com a manipulação de sentimentos de vingança e a satisfação com a eliminação daqueles sujeitos historicamente indesejáveis: jovens, pobres, negros e negras.

Com o aprofundamento das políticas que por sucessivos governos nos trouxeram até este ponto trágico, como a militarização da gestão pública, a expansão do complexo prisional, o recrudescimento da legislação penal e a privatização dos presídios, o Estado brasileiro – legislativo, judiciário e executivo – deixa claro que a barbárie é o seu projeto e que o encarceramento em massa e o extermínio são seus instrumentos privilegiados de governo.

Um necessário programa de redução imediata e substancial da população prisional, conforme exposto na Agenda Nacional pelo Desencarceramento , apoiada por mais de 40 organizações e movimentos, só será realizado com mobilização e pressão social, tendo as próprias pessoas presas e seus familiares como protagonistas.

Nesse sentido, diversas organizações, entre elas a Pastoral Carcerária e a AMPARAR (Associação de Amigos e Familiares de Presos), estão construindo uma vigília em frente ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, na capital paulista, seguida de uma recepção solidária e diálogo com familiares visitantes, entre outras inúmeras atividades de mobilização pelo fim dos massacres e por um mundo sem cárceres.

Assim, em pleno Tempo da Quaresma, período fértil de conversão pessoal, comunitária e social, e animados pela Campanha da Fraternidade 2018 que nos compromete com a superação da violência, convidamos todas e todos agentes da Pastoral Carcerária a se somarem nesse esforço no dia 10 de março em suas dioceses, fazendo uma vigília em frente ao presídio de sua cidade, recebendo e dialogando com os familiares de pessoas presas nas filas de visita ou construindo outras atividades que estreitem esses laços de solidariedades, luta e fé. Nesta semana do Dia Internacional da Mulher (8 de Março), e lembrando que a maioria das pessoas que visitam as encarceradas e encarcerados são mulheres, nossa vigília e mobilização ganham ainda mais importância.

Em comunhão com o Papa Francisco que nos convoca a sermos uma Igreja em Saída e irmanados em preces e luta, sejamos sal e luz do mundo!

São Paulo, 05 de março de 2018
Pastoral Carcerária

Últimos posts

Deixe um comentário