Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Naquele tempo… 20 anos do sequestro de Dom Aloísio Lorscheider

 em Notícias

O testemunho de Dom Aloísio Lorscheider naquele emblemático sequestro de vinte anos atrás, ainda tem sabor de profecia para a Igreja e a sociedade contemporânea. 

Dom_AlosioDia 15 de março de 1994. Um cardeal, dois bispos auxiliares, um vigário episcopal e nove ilustres personalidades do mundo da política, do ministério público e dos meios de comunicação foram feitos reféns sob a mira de armas artesanais nas mãos de um pequeno grupo de amotinados do Instituo Penal Paulo Sarasate (IPPS), em Fortaleza.

Do lado de dentro, longas horas de angústia, de medo e incerteza por pare dos reféns e a desesperada guerra de nervos dos sequestradores. Fora das muralhas, uma quilométrica fila de carros invadindo a BR 116 para ver de perto aquele momento dramático e, mais longe ainda, uma incessante corrente de oração. A notícia do desfecho feliz viria depois de um dia e uma noite de extenuante apreensão.

“Para mim, aumentou o amor por essa gente e a necessidade de dedicar-me ainda mais aos presidiários, que são os excluídos da sociedade”. Numa entrevista de primeira mão, essa singela reação de Dom Aloísio deixou muita gente perplexa dentro e fora da Igreja. E com razão. Complicado demais para os “sábios e inteligentes” (Mt 11,25) entender de profecia. Ainda mais quando o testemunho do Pastor apontava para uma leitura mais profunda daquele fato tresloucado. A leitura de quem consegue, contra toda a evidência, acreditar que a graça e Deus trabalha além das aparências e que todo gesto desesperado sempre tem um recado a ser decodificado. Mais cômodo para os analistas da época apelar para uma tal de “síndrome de Estocolmo”, fenômeno psicológico em que o sequestrado se afeiçoa e se associa ao seu algoz.

Naquele tempo, eram pouco mais de seiscentos os presos que dividiam no IPPS um espaço construído para quatrocentos, sob a custódia de uma dúzia de agentes penitenciários. Poucos anos depois, a superlotação chegou a 1.600 detentos, com o mesmo quantitativo de agentes. Na mesma época, Brasil afora, a população carcerária era pouco mais de cem mil. Hoje, já vai além de meio milhão.

“Nossos sequestradores são jovens carentes. Infelizmente é só esse tipo de gente que está na cadeia e não são assim tão perigosos, ainda mais no Brasil onde pessoas muito mais perigosas estão soltas por aí”. São palavras de Dom Aloísio.

Hoje, cerca de 70% da população carcerária está na faixa de 18 a 27 anos e, mesmo assim, ninguém acorda para a urgência de uma política penitenciária que contemple projetos pedagógicos multidisciplinares e sistêmicos e para a necessidade de um atendimento individualizado capaz de despertar nos jovens o valor e a dignidade da vida humana.

Jovens, todos filhos de nossas comunidades: frutos da fome, do desestruturação familiar, da ausência de políticas públicas , da droga, do tráfico de armas e do crime organizado, todos filhos do endeusamento do mercado excludente. Cidadãos largados ao deus-dará, antes da prisão. Esquecidos e odiados, mais tarde atrás das grades, pela ojeriza da própria comunidade assustada e mal informada.

Ociosidade total, tortura física e psicológica e um sistema judiciário desaparelhado e preguiçoso que nada tem a oferecer aos infratores da lei a não ser um regime cada vez mais fechado e desumano que, de certo, não poderá contribuir para a tão propalada ressocialização. Sem falar da aplicação insignificante de penas alternativas para a grande quantidade de crimes de pequeno porte.

Enquanto isso, a reincidência que ultrapassa 70% é a prova incontestável de um sistema penal que anda na contramão da própria Lei de Execução Penal Brasileira, “das regras mínimas” das Nações Unidas e das jurisprudências mais modernas que apontam para o fim da Justiça Punitiva em prol de uma Justiça Restaurativa.

A complexidade do Sistema Penitenciário, hoje, requer um debate aberto, em que os interlocutores não sejam apenas os responsáveis pela Justiça e pela Segurança, mas todos os poderes públicos, as organizações sociais, a comunidade como um todo e as igrejas também.

Faz-se urgente que as Igrejas e demais religiões mostrem com maior visibilidade sua missão de educadoras das consciências. Com lucidez, lembrar aos que detêm o poder de cuidar do bem comum, ainda reféns de políticas sociais compensatórias e práticas de segurança repressivas, que a prevenção continua sendo o melhor antídoto ao desmantelo social.

Cabe também a elas defender de forma intransigente e inequívoca a dignidade de todo o ser humano, que permanece intocável mesmo após um crime, e despertar nos governos um empenho mais efetivo na criação de oportunidades para todos, a partir dos mais excluídos. As instituições religiosas, profundas conhecedoras das angústias e sonhos de quem vive atrás das grades, não podem fugir do debate.

É humano o que os nossos presidiários estão vivendo? É eficaz para uma adequada tutela da justiça? Está contribuindo para a reabilitação de quem errou? Em que medida a condenação do agressor devolve a paz às vítimas? O que ganha e o que perde a sociedade com as atuais práticas penitenciárias. Não haveria outras hipóteses de Justiça mais restaurativas?

A sociedade, hoje refém do medo e de seus instintos de vingança, precisa mais do que nunca da luz de uma teologia libertária que, partindo da conflitualidade das relações humanas, conduzam sempre a reconsiderar a justiça humana com os parâmetros da Justiça divina, sem paternalismos ou ingenuidades. Os cristãos acreditam de verdade que a pessoa encarcerada é o próprio Filho do Homem que vive atrás das grades? Para tanto, é preciso voltar aos tempos de outrora, quando a comunidade cristã destemida era “refém” exclusivamente do Evangelho de Jesus de Nazaré.

 

Por padre Marcos Passerini

Coordenador estadual da Pastoral Carcerária no Ceará

*Artigo extraído do livro “Mantenham as Lâmpadas Acessas” (O Grupo – 2008)

 

Últimos posts

Deixe um comentário