Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Hospital de custódia em Franco da Rocha (SP) está há um mês sem energia elétrica

 em Notícias

Hospítal_custodia_franco_da_rochaHá tempos o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico de Franco da Rocha II (HCTPII) não conta uma rede própria de energia elétrica, mas diante da necessidade de manter a atenção à saúde dos presos, utilizava energia emprestada do hospital psiquiátrico do Juqueri.

No entanto, há um mês, conforme revelou uma fonte consultada pela Pastoral Carcerária Nacional, a diretoria do hospital psiquiátrico tem reduzido drasticamente a liberação de energia para as dependências do HCTPII.

“Quando libera a energia é no máximo por uma hora e desliga novamente. O hospital está um caos com este calor. Os atendidos estão sem televisão, sem ventilador, tomando banho gelado e pior, sem claridade, a segurança os tranca mais cedo”, conta uma pessoa que tem contato frequente com a realidade do HCTPII.

Segundo relata a mesma pessoa, a diretoria do hospital psiquiátrico do Juqueri, já em junho de 2013, teria solicitado que o HCTPII desmembrasse a própria rede de energia, mas nada foi feito. Deu-se um novo prazo até outubro, outro mais até de dezembro, e após esse período, sem que nada tenha sido feito, começaram os cortes de fornecimento ao hospital de custódia.

A pessoa denunciante do caso à Pastoral Carcerária lamentou também que raramente os atendidos no HCTPII recebem visitas do Ministério Público e de órgãos de direitos humanos. “Os presos podem passar pelas maiores desumanidades, violência psicológica, que ninguém fala nada. Só porque é pobre tem que viver jogado?”.

Ao tomar ciência da denúncia, a Pastoral Carcerária a encaminhou para o núcleo carcerário da Defensoria Pública de São Paulo, que disse que irá oficiar a situação à diretoria do HCTPII. A Pastoral espera que ao tomar ciência do caso, o Ministério Público, a Defensoria e a Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo garantam uma rápida solução para a situação. 

Recommended Posts

Deixe um comentário