Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Pastoral Carcerária lança pesquisa avaliando a efetividade do indulto do Dia das Mães de 2017

 em Mulher Encarcerada, Notícias

PARA LER O RELATÓRIO COMPLETO, CLIQUE AQUI.

PARA ACESSAR UM FOLDER COM AS PRINCIPAIS CONCLUSÕES DA PESQUISA, CLIQUE AQUI.

Abaixo você pode acessar o Mapa Virtual do Indulto do Dia das Mães de 2017, que contém os dados de cada Estado fornecidos pelas Secretarias, Defensorias Públicas e Tribunais de Justiça de cada Estado para a realização.

No dia 12 de abril de 2017, o presidente Michel Temer decretou uma série de medidas para conceder o indulto a mulheres presas.

O decreto foi celebrado por organizações sociais como um passo importante para desencarcerar a população feminina presa, mas qual foi o impacto real que o indulto teve?

Essa é a resposta que a pesquisa lançada nesta quarta-feira (29) pelo Grupo de Trabalho Nacional para a questão da mulher presa da Pastoral Carcerária, Em defesa do desencarceramento de mulheres: pesquisa sobre o impacto concreto do indulto do dia das mães de 2017, se propõe a responder.

O evento de lançamento do documento ocorre na sala dos estudantes da Faculdade de direito da Universidade de São Paulo (Térreo), no Largo São Francisco, às 19 horas.

A pesquisa monitorou a efetividade do Decreto de Dia das Mães de 2017, que concedeu indulto a mulheres presas. Segundo o Departamento Penitenciário Nacional, quase 14 mil presas atendiam às regras iniciais para a concessão da medida.

Considerando as cerca 42 mil mulheres presas, o indulto beneficiaria um terço desta população. A pesquisa da Pastoral demonstrou, no entanto, um abismo entre o número de mulheres que poderiam ser beneficiadas e aquelas que efetivamente tiveram a punibilidade extinta.

A pesquisa, feita com dados obtidos das Secretarias de Administração Penitenciárias, Defensorias Públicas e Tribunais de Justiças, pedidos via Lei de Acesso à informação, mostrou que apenas 3,5% das mulheres que poderiam ser abarcadas pela medida foram realmente beneficiadas. Esse dado representa somente 1,2% do total de mulheres presas.

O documento mostra que há pouca atenção à avaliação das possíveis beneficiárias e uma grande taxa de rejeição dos pedidos por parte do Judiciário. Dentre os casos identificados pelas Secretarias, apenas 14,5% tiveram o indulto concedido e os Tribunais informaram uma rejeição de 66,1% dos pedidos recebidos pelas Varas competentes.

Esses dados sugerem que os juízes atravessam a atribuição da Presidência, inserindo outros critérios não previstos no Decreto para barrar a declaração do indulto, ferindo gravemente o direito das mulheres encarceradas.

Últimos posts