Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Irmã Petra: ‘A situação da mulher no sistema prisional é muito mais difícil’

 em Mulher Encarcerada

Irma_Petra_entrevistaNo começo de outubro, a Irmã Petra Silvia Pfaller, coordenadora nacional da Pastoral Carcerária para a Questão da Mulher Presa esteve em Porto Alegre (RS), onde assessorou o 1° Encontro Regional do GT nacional da mulher presa, entre os dias 2 e 4.

Na oportunidade, concedeu entrevista ao jornalista Judinei Vanzeto, do Regional Sul 3 da CNBB (Rio Grande do Sul), onde comentou sobre a realidade das presas em todo o Brasil e especificamente nas unidades prisionais gaúchas. Irmã Petra também reafirmou o posicionamento da PCr nacional por um mundo sem prisões: “Se o presídio resolvesse já seria uma solução para a violência. É uma justiça vingativa que não educa!

CLIQUE E LEIA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA NO SITE DO REGIONAL SUL 3

Reproduzimos a seguir, alguns dos trechos da entrevista concedida pela Irmã Petra ao Regional Sul 3 (RS3).

 

RS 3: Qual a sua atividade atualmente?

Irmã Petra: No momento, trabalho como coordenadora nacional para a Questão da Mulher Presa da Pastoral Carcerária da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Vim aqui para o Rio Grande do Sul e visitei alguns presididos em Caxias do Sul e Bento Gonçalves. Com a equipe local fomos visitar os presídios com mulheres encarceradas (..) Hoje, normalmente, nos cárceres se olha mais para a questão dos homens. Os presídios em geral foram feitos por homens e para os homens. Atualmente, no Brasil, há cerca de 640 mil homens presos e entorno de 35 mil mulheres presas. Muitas vezes, elas estão com seus filhos pequenos. No Rio Grande do Sul, o número de mulheres presa chega a duas mil. Nos últimos seis anos triplicou o número de mulheres presas. Essa é uma das razões para a Pastoral Carcerária ter um olhar específico para elas. As consequências do encarceramento para a mulher são muito mais grave em comparação aos homens presos.

 

RS 3: Soube que a senhora fez uma visita a Secretaria de Segurança do Rio Grande do Sul. Qual foi sua sensação neste contato?

Irmã Petra: Fiquei bem surpresa com os projetos que a equipe técnica esta fazendo e os sonhos de implantar para a população encarcerada feminina. Estou curiosa para conhecer o presídio feminino Madre Pelletier, de Porto Alegre. A Pastoral Carcerária é sempre uma parceira dos projetos que dão certo. Como a Pastoral Carcerária denuncia quando tem casos de tortura e desrespeito a dignidade do ser humano, também apoia projetos. Nas capitais é comum ter presídios só femininos, mas no interior, como percebi nas visitas que fiz, tem uma ala com um corredor e lá estão as mulheres no mesmo presidido dos homens. Ficam todo o dia trancadas porque não pode misturar. Não podem participar das atividades da Pastoral Carcerária porque a direção não permite misturar. Temos que ter um olhar mais específico para as mulheres que dentro da questão carcerárias são as últimas. Elas precisam de material de higiene e muito cuidado. Vi que no Rio Grande do Sul há muitas mulheres presas com filhos recém-nascidos. Nós como Igreja precisamos olhar para essa realidade.

 

RS 3: E quando a mulher presa esta grávida?

Irmã Petra: Percebi que aqui no Rio Grande do Sul as mulheres do interior quando estão grávidas e, já no quinto ou sexto mês, como não tem maternidade e berçários, são trazidas para presídio da capital. Esses presídios da capital têm condições de acolher a gestante, que pode ficar até um ano. A situação da mulher no sistema prisional é muito mais difícil. Normalmente, o marido abandona a mulher que foi presa. As mulheres com maridos presos são muito mais companheiras e não abandonam, mas os homens abandonam com mais facilidade se a mulher foi presa. Se a mulher é do interior e transferida para presídio da capital é muito mais difícil para a família visitar, porque, geralmente, são os mais pobres que vão para a cadeia. A maioria da população carcerária é pobre. A dificuldade de apoio longe da família com criança é muito mais difícil. Tem que deixar a criança com a família. O governo não reconhece à necessidade e a importância de apoio à mulher presa. Por outro lado, isso vai muito da compreensão do juiz ou da juíza daquela vara, que pode decretar prisão domiciliar.

 

RS 3: Qual o perfil da mulher presa no Brasil?

Irmã Petra: Hoje, 65% das mulheres presas são por tráficos de drogas. A porcentagem dos homens por tráfico é de 45%. As mulheres, com algumas exceções, não fazem parte da hierarquia do crime por tráfico. Elas não são chefes da boca do fumo. É raro andarem armadas. A maioria das mulheres presas é pelo ditado “mulas”, ou seja, os donos das drogas terceirizam o carregamento da droga e as mulheres fazem isso. Fazem isso sem ser criminosas e o Poder Judiciário não faz a diferenciação. Dou um exemplo. Foi pega uma mulher na rodoviária com quatro quilos de maconha indo da cidade ‘A’ para a cidade ‘B’, já recebe oito anos de prisão por ser entendida como uma traficante perigosa. É um perfil de mulheres presas, que a meu ver, a Justiça deveria tratar diferenciado este tipo de delito. Depois que entra no sistema prisional ela é introduzido no conhecimento do mundo do crime. É difícil de sair!

 

RS 3: Fale sobre o fundamento para a ação da Pastoral Carcerária?

Irmã Petra: O próprio Jesus Cristo em Mateus 25 diz: “Estive preso e fostes me visitar”. Muitas vezes nós esquecemos isso que é uma ação de misericórdia. É muito comum quando alguém esta com fome ou doente receber assistência. Mas se esta preso, muitas vezes, esquecemos. O próprio Jesus deixou o mandamento mais difícil: perdoar! Pedimos no Pai-Nosso para nos perdoar e perdoar os outros, mas quando somos assaltados ou vemos pela televisão as notícias, a nossa reação é de vingança. Isso é muito grave! Se levarmos a sério a missão de Jesus Cristo, como missionário do Pai, nós visitamos as pessoas presas. Não visitamos o assassino, mas a pessoa. Visitamos o João, a Maria que estão atrás das grades. Existem situações degradantes que humanamente nem se fala, mas é a nossa fé. Como viajo muito pelo Brasil fico tocada com os agentes da Pastoral Carcerária que todas as semanas atravessam as grades e a barreira da polícia para estar lá junto com os presos. Vão lá para estar juntos e não para convertê-los, mas para estar junto. Exercem a pastoral da escuta. Estar junto para reconhecer a pessoa, dar uma palavra de esperança e rezar se eles querem. Também de denunciar casos de tortura, falta de alimentação e de assistência à saúde. São quase seis mil agentes pelo Brasil.

 

RS 3: Os presídios brasileiros ressocialização as pessoas? 

Irmã Petra: A ressocialização é mentira. É um palavrão. O Brasil é o terceiro país no mundo que mais encarcera. Aliás, encarceram os pobres, os negros, os favelados, os jovens. Mesmo assim a violência esta aumentando no país. Se o presídio resolvesse já seria uma solução para a violência. É uma justiça vingativa que não educa!

 

RS 3: A Pastoral Carcerária do Rio Grande do Sul esta bem avançada na questão do Projeto da Justiça Restaurativa. As mulheres estão dentro desse projeto?

Irmã Petra: Partilho o que percebi e me contou a Irmã Imelda Maria Jacoby, coordenadora da Pastoral Carcerária do Regional Sul 3. Graças a Deus, o projeto que nós apostamos e seguimos as orientações do Nacional foi abraçado e esta tendo bastante a Pastoral Carcerária do Regional. Disse-me a Irmã Imelda, que trabalha dentro das unidades, particularmente na Quarta Região da Delegacia, que as mulheres já tem tido a oportunidade de fazer o curso da Justiça Restaurativa. Inclusive um presídio na região de Sarandi a própria diretora fez o curso e agora esta ministrando para as presas. Temos no Rio Grande do Sul a dificuldade de fazer um trabalho separado, mas em diversas cidades temos unidades de presídios mistos que somam no estado 57 presídios de mulheres junto com homens separadas por ala. A minha experiência, como, por exemplo, em Passo Fundo, temos um dia específico só para o atendimento das mulheres. Entramos nos alojamentos e temos aproximação de ouvi-las. Temos essa permissão por parte dos administradores, como também em casos que encontramos mais dificuldades de trabalhar só com as mulheres.

 

RS 3: Alguma mensagem final?

Irmã Petra: Quando as pessoas falam “vamos evangelizar as pessoas presas” eu digo “nós não vamos levar Jesus no presídio. Ele já esta lá”. E quando vamos visitá-los encontramos o rosto de Jesus que disse: “Estive preso e fostes me visitar”! Por isso, vamos lá e encontramos o rosto de Deus. Eu fico muito grata por todas as experiências de fé quando tenho oportunidade de partilhar.

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

 

Recommended Posts

Deixe um comentário