Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Denúncia de tortura em presídio feminino de Roraima é arquivada pelo MP

 em Mulher Encarcerada, Notícias

Por Maria Teresa Cruz
Da Ponte

Tudo começou com uma carta que chegou à Pastoral Carceraria no dia 6 de novembro de 2016. O pedido de ajuda partiu das reeducandas da Cadeia Feminina de Boa Vista.

“Essa semana seis agentes homens entraram no sistema em um bacu, pediu que todas nós fôssemos para a quadra de calcinha e sutiã e xingaram as presas de burra, filha da puta, ridículas, presa fudida. E separou nove mulheres para começar as torturas com elas com cabo de vassoura e spray de pimenta”, diz o relato. Na carta, as reeducandas contam que, antes de ir embora, os agentes ameaçaram atirar no rosto de uma agente penitenciária mulher e jogar a culpa nelas.

A Pastoral Carcerária Nacional oficiou à procuradora-geral de Justiça do Estado, Elba Christine Amarante de Moraes, o defensor público geral, Carlos Fabrício Ortmeier Ratachesk e o presidente do tribunal de Justiça de Roraima, desembargador Almiro José Mello Padilha.

No documento, a entidade pede como medida a realização de inspeção na unidade prisional, com “entrevistas reservadas com as presas e com a devida identificação das mulheres que teriam sofrido as agressões físicas para solicitação de exame de corpo de delito, e adoção das medidas pertinentes para a cessação das violações verificadas”.

Sem resposta do MP, em março do ano passado, a entidade informou o ocorrido à Corregedoria Geral do MP de Roraima e, mais uma vez, um silêncio se fez. O promotor Carlos Paixão de Oliveira desconsiderou os relatos de tortura por “não sentir consistência nas denúncias”. O assunto chegou ao Conselho Nacional do MP que acabou chancelando o arquivamento do caso, no dia 1º de fevereiro deste ano, mas questionou a atuação de Oliveira.

A decisão destaca que, apesar de entrevistas com as reeducandas e outras evidências de casos anteriores, o promotor deixou de cumprir alguns protocolos e a resolução nº 31 do órgão, que pede que os membros observem as normas previstas no “protocolo de Istambul, da Organização das Nações Unidas e o protocolo Brasileiro de Perícia Forense em casos de crimes de tortura”.

“Nem a periculosidade do detido ou condenado, nem a insegurança do estabelecimento carcerário ou penitenciário podem justificar tortura”, escreve Dermeval Farias Gomes Filho, conselheiro presidente da Comissão do Sistema Prisional do CNMP.

A promotoria de Execução Penal de Boa Vista alegou que não abriu procedimento administrativo para apurar internamente as denúncias apresentadas por “falta de recursos e materiais”.

De acordo com o assessor jurídico da Pastoral Carcerária Nacional, Paulo Malvezi, a situação retratada não é única. “As condições em Roraima são péssimas. Atualmente, a pastoral tem acompanhado três casos em unidades de lá. A grande questão é que as denúncias acabam invisibilizadas. É um outro Brasil”, afirma. “Temos um protocolo muito rígido. A gente acredita que não temos que fazer investigação. Temos que cobrar. Nesse caso, mandamos para a defensoria, MP e judiciário. Se não tem resposta mandamos para a corregedoria local e assim vai, até que chegou a Brasília”, explica.

Outro lado

A reportagem da Ponte procurou o Ministério Público Estadual de Roraima por meio de um formulário da assessoria de imprensa do órgão no site oficial questionando a decisão do promotor Carlos Paixão de Oliveira, mas, até o fechamento da reportagem, não obteve resposta.

Últimos posts

Deixe um comentário