Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Pastoral Carcerária realiza encontro nacional de coordenadores

 em Igreja em Saída, Notícias

Com informações da CNBB

A Pastoral Carcerária realizou neste fim de semana um Encontro Nacional de coordenadores.

O evento foi uma preparação para a Assembleia Nacional da Pastoral Carcerária (PCr), que ocorrerá no mês de novembro, além de discutir ações para comprometer e sensibilizar os/as agentes da Pastoral do Brasil em relação às lutas que a PCr deve assumir.

Com místicas, exposições pelos membros da coordenação nacional sobre as linhas de atuação da Pastoral e debates, o encontro foi um importante espaço de formação.

Os representantes do evento também participaram do lançamento do relatório sobre restrições ao atendimento religioso nas prisões, ocorrido na tarde de sexta-feira (23).

Dom Leonardo: “presos são a própria carne sofrida do Cristo”.

Presença leiga e feminina – A Pastoral Carcerária possui cerca de 6 mil agentes de pastoral em todo Brasil. Deste universo, cerca de 80% são mulheres. A agente de pastoral Vera Dalzotto lembrou que esta é uma ação desenvolvida por voluntários e leigos, que mantém a presença solidária da Igreja nos presídios. Sobre seu trabalho nos presídios ela entende que “é lá que Deus a quer”. Para ela, não é possível ser cristão e desconhecer e ignorar os irmãos e irmãs presos.

O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner e bispo auxiliar de Brasilia disse que as barreiras impostas por agentes penitenciários às visitas de agentes da Pastoral Carcerária são dificuldades que impedem a presença misericordiosa da Igreja aos presídios. Usando uma expressão do papa Francisco, ele afirmou que os presos são a carne sofrida de Cristo.

A assistência religiosa à pessoa presa é um direito constitucionalmente garantido e se vincula à própria inviolabilidade de culto e crença, também prevista na Constituição Federal e na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Além disso, as “Regras Mínimas para Tratamento de Pessoas Presas”, da Organização das Nações Unidas (ONU), a Lei de Execução Penal (LEP) e a Resolução 8/2011 do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) garantem o atendimento religioso às pessoas privadas de liberdade, não comportando qualquer tipo de cerceamento ou restrição. No entanto, mesmo com essas garantias legais, a assistência religiosa ainda é, muitas vezes, dificultada ou mesmo impedida.

Fruto de pesquisa realizada pela coordenação nacional da PCr, o relatório foi elaborado com base nas respostas de 235 agentes da pastoral de todos os estados do país, com exceção de Tocantins, que relataram suas dificuldades de entrar nos presídios e realizar tanto o trabalho religioso e humanitário quanto a identificação de possíveis denúncias de violações aos direitos humanos.

 

 

 

Últimos posts

Deixe um comentário