Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Nota acerca das denúncias de violações de direitos na penitenciária feminina Ana Maria do Couto May – Cuiabá (MT)

 em Notícias

logomarcaEm atenção à ampla divulgação nos meios de comunicação das denúncias apresentadas pela Pastoral Carcerária de Cuiabá à Defensoria Pública do Estado, acerca de possíveis abusos e violações de direitos ocorridos na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, nos servimos da presente nota para prestar os seguintes esclarecimentos:

A Pastoral Carcerária é a presença de Cristo e de sua Igreja nos Cárceres, e no cumprimento de sua missão não é incomum o testemunho de atos ou a oitiva de relatos sobre violações de direitos, que muitas vezes parecem escapar à atenção dos órgãos responsáveis pela fiscalização do sistema penitenciário.

No caso em questão, os agentes pastorais tomaram conhecimento de diversas irregularidades e situações vexatórias que estariam ocorrendo com as presas da unidade, como o desnudamento forçado, castigos físicos e humilhações, especialmente após a morte da detenta Rosilda Pompeu de Oliveira, com 70% do corpo queimado, em circunstâncias ainda não esclarecidas ao público.

Sem meios para confirmar os relatos, já que, inclusive, a entrada da Pastoral Carcerária no local foi suspensa por um período e, após tal fato, seu acesso foi restringido à determinadas presas e espaços na penitenciária, em total desconformidade com a Resolução n.º 8/2011 do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, optou-se por oficiar a Defensoria Pública para que as presas fossem ouvidas de forma reservada e adotadas todas as medidas necessárias para a garantia da integridade física e moral das mesmas, sendo este encaminhamento absolutamente regular e de acordo com a legislação vigente.

Completamente descabido seria exigir da Pastoral Carcerária local postura diversa ou “comunicação prévia” à Secretária de Justiça e Direitos Humanos do Estado do Mato Grosso, conforme chegou a ser ventilado na mídia, mesmo por que os fatos relatados implicavam, por ação ou omissão, servidores do próprio órgão.

Após a devida apuração, confirmadas ou não as denúncias relatas à Pastoral Carcerária, tais fatos, que também se repetem à exaustão em outras regiões do país, mais que evidenciam o caos no sistema penitenciário brasileiro, deteriorado pelo encarceramento em massa e ausente de mecanismos efetivos de fiscalização e controle social.

Nesse sentido, apesar da conhecida dificuldade para provar as denúncias de tortura e maus tratos no cárcere, já que o seu ambiente estruturalmente violento inibe testemunhas e constrange os próprios denunciantes, a Pastoral Carcerária Nacional seguirá atenta aos desdobramentos do presente caso, em estreita colaboração com seus agentes em Cuiabá e com as autoridades responsáveis.

 

São Paulo, 28 de julho de 2014.

Pe. Valdir João Silveira
Coordenador Nacional da Pastoral Carcerária

Paulo Cesar Malvezzi Filho
Assessor Jurídico Nacional da Pastoral Carcerária

Recommended Posts

Deixe um comentário