Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Uma justiça que restaura e que constrói o futuro

 em Justiça Restaurativa

Gianfranco_Mundo_MissaoJustiça, conflitos e violência. A opinião da imprensa globalizada sobre essas questões sociais alimenta nas pessoas a sede de vingança, pautada pela raiva e pelo ressentimento, levando a crer que a solução dos conflitos se dá pelo uso da força conjugada no tripé: mais repressão policial, mais cadeia e mais punição.

Essas medidas, no entanto, não solucionam os problemas sociais. Como, então, responder perante uma ofensa, perante uma violência? A justiça penal manda que o ofensor seja punido, deixando totalmente de lado o ofendido, entregue às dores da violência sofrida, propiciando as condições para fomentar a sede de vingança, a raiva e, por isso, a reprodução da violência.

A Justiça Restaurativa, servindo-se da Escola de Perdão e Reconciliação (ESPERE) e das práticas restaurativas, olha para a vítima, sua dor, sua perda e seu problema preocupando-se em reparar a ofensa, dando atenção às necessidades das pessoas envolvidas no conflito. Essa passagem, em que o ofendido lida com suas necessidades, é fundamental para interromper o desejo de vingar, de punir, de provocar dor no ofensor. De fato, punir é humilhar, e isso satisfaz algo em nós, mas se mostra inútil para estabelecer a justiça e a paz social. Punir é voltar para o passado, enquanto restaurar é voltar-se para o futuro.

Mas para Restaurar, cultivando a verdadeira justiça, é preciso dar três passos importantes: Reconhecer, Responsabilizar-se, Reintegrar. Fator importante nesse processo é a Inteligência Emocional, capacidade que cada ser humano tem para lidar com os conflitos cotidianos e com o volume de suas angústias e ansiedades, aprendendo a compreender seus próprios sentimentos e a descobrir-se nos outros com quem se busca efetivamente conviver (Antunes, Celso, Inteligências múltiplas e emocionais. Rio de Janeiro, 2009).

Mas, afinal, o que é Justiça Restaurativa? Em que se diferencia da justiça penal? Uma primeira característica é que, contrariamente à justiça comum verticalizada, elitista e punitivista, a Justiça Restaurativa é uma construção comunitária. Ofensor, ofendido e comunidade, com a ajuda de um facilitador, se encontram para dialogar sobre o acontecido, construir consenso e reparar o dano que os envolvidos sofreram. Assim, cabe à comunidade a possibilidade e a responsabilidade de lidar e resolver seus conflitos. Um segundo elemento da Justiça Restaurativa é considerar como central o sentimento e as necessidades dos envolvidos. Outro aspecto é o tratamento dado ao ofensor, com a tarefa de chama-lo à responsabilidade para que ele possa entender o que sua atitude causou no outro e nas relações com a comunidade, e encontrar os meios para superar e reparar o dano. A restauração por meio do diálogo e da reconciliação é central para proporcionar condições que impeçam a continuidade do círculo de violência.

Tudo o que até agora conversamos pode parecer um sonho longínquo. Na realidade, a Justiça Restaurativa é uma proposta concreta, responsável, coletiva e que já tem inúmeras experiências práticas no Brasil, sendo um contraponto à justiça penal punitiva, vingativa e encarceradora. A Pastoral Carcerária entende que a Justiça Restaurativa é um dos instrumentos para que a sociedade e seus cidadãos se empoderem de seu presente para construir uma nova humanidade.

 

Padre Gianfranco Graziola,
Vice-coordenador nacional da Pastoral Carcerária
Missionário da Consolata

*Artigo publicado na edição de outubro de 2015 da revista Mundo e Missão.

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário