Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Defensoria Pública quer o fim da revista vexatória no sistema socioeducativo

 em Combate e Prevenção à Tortura

Imagem da revista vexatoriaO Núcleo Especializado de Infância e Juventude da Defensoria Pública do Estado de São Paulo recentemente manifestou repúdio à continuidade da realização de revista vexatória aos visitantes de adolescentes custodiados em unidades de privação de liberdade nos diversos Estados Brasileiros.

Por conta disso, lançou uma petição pública (abaixo-assinado) pelo qual busca coletar o máximo de assinaturas para expressar ao poder público o desejo da sociedade de que haja o fim da revista vexatória no sistema socioeducativo.

O Núcleo reforça que a revista vexatória “é realizada de maneira manual, invasiva, com desnudamento total ou parcial das vestes, agachamentos repetitivos e inserção de objetos nas cavidades corporais, na tentativa de verificar a existência de algum objeto ilícito. Por causar intenso sofrimento físico e moral, acarretar humilhação social, não encontra amparo no ordenamento jurídico nacional e internacional, assemelhando-se ao tratamento cruel, segundo recente pronunciamento da Organização das Nações Unidas. Apesar de sua realização afrontar a dignidade inerente a todos os seres humanos, sua existência ainda persiste no Sistema Penal Brasileiro e com maior intensidade no Sistema Socioeducativo”.

Por conta disso, o Núcleo afirma apoiar projetos de lei que tratem do tema. “Clamamos aos demais Atores Sociais que se juntem a nós neste manifesto, a fim de sensibilizar o Poder Público, o Poder Judiciário e o Ministério Público quanto à patente ilegalidade desta forma de revista e sua substituição por métodos mecânicos”.

No Estado de São Paulo, neste ano, foi sancionada a lei 15.552/2014, que em seu projeto original previa a proibição da revista vexatória nas unidades da Fundação CASA, mas houve veto jurídico a trechos do Projeto, em razão da suposta falta de competência do Governo Estadual para legislar sobre matéria. “Sua realização é evidentemente desproporcional quando analisada frente ao risco da lesão à segurança interna que sua ausência poderia causar, dado o baixíssimo percentual de apreensões em relação ao número de visita realizadas, manifestou-se o Núcleo Especializado de Infância e Juventude da Defensoria Pública do Estado de São Paulo em nota pública.

A Pastoral Carcerária Nacional é contra a prática da revista vexatória e apoia todas as ações que visem extinguir tal conduta ilegal.

CLIQUE E PARTICIPE DO ABAIXO-ASSINADO

Recommended Posts

Deixe um comentário