Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Relatório da PCR denuncia abandono e violações no Presídio de Pesqueira

 em Combate e Prevenção à Tortura, Notícias

Do Jornal do Comércio de Pernambuco

Celas lotadas, infestação de pragas, lixo acumulado, água imprópria para consumo e estrutura em ruínas. Essa é a situação do Presídio Desembargador Augusto Duque, em Pesqueira, Agreste do Estado, de acordo com levantamento realizado pela Pastoral Carcerária Nacional, entre o fim de 2017 e o início de 2018. O relatório mostra um cenário de abandono, apontado como um dos piores do País. Agora, a instituição cobra medidas para solucionar os problemas.

Projetada para abrigar 144 presos, a unidade contabilizava 924 pessoas na última semana, de acordo com a Secretaria-Executiva de Ressocialização (Seres). O índice de superlotação é de 640%, número bem superior à média nacional de 197,4%. Uma das celas visitadas, com capacidade para 6 pessoas, era ocupada por 34. Os detentos dormem no chão, nos corredores e nas escadas.

O número de presos está na origem de vários problemas estruturais, já que o prédio de quatro pavimentos não comporta tanta gente. De acordo com o relatório, há infiltrações, fios expostos e roupas por toda parte, “tornando o presídio uma ‘bomba-relógio’, que coloca em risco a vida de presos e trabalhadores.”

“É uma condição desumana. Ao invés de ressocializar, a situação gera cada vez mais violência”, argumenta o coordenador da Pastoral Carcerária de Pernambuco, Valdemiro Cruz.

Para ele, o que mais chocou foi a água suja para beber. “Era de péssima qualidade. Os cuidados sanitários são inexistentes. O lixo acumula e atrai moscas. Toda a situação contribui para proliferação de doenças. É um péssimo lugar para seres humanos.” O relatório ainda denuncia a falta de médicos e de políticas para o público GBT. Sem qualquer tipo de controle, cabe aos próprios presos se organizar e aplicar a disciplina, através dos chamados “chaveiros”.

“Enviamos o documento às autoridades competentes. Até agora, não obtivemos resposta. Os detentos não têm assistência jurídica e, por isso, muitos ainda estão presos, quando já cumpriram a pena. Queremos uma solução para a superlotação, sem que os presos sejam apenas transferidos de uma unidade para outra”, argumenta Paulo Cesar Malvezzi Filho, assessor jurídico da Pastoral.

RESPOSTA

A Seres informou que a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos segue com obras em Itaquitinga, no Presídio de Palmares, Complexo Prisional de Araçoiaba e Cadeia Pública de Garanhuns, resultando em 6 mil vagas. Um mutirão jurídico será realizado no presídio esta semana para analisar os casos.

De acordo com a Seres, há dois médicos na unidade e 340 candidatos estão sendo submetidos às etapas de avaliação médica e testes físicos do concurso para agentes penitenciários. Sobre a limpeza, a secretaria defendeu que a gestão do presídio vem realizando ações de melhorias e adotando medidas de higienização. Já o lixo acumulado é recolhido pela prefeitura semanalmente.

Por fim, a Seres informou que existem seis reeducandos que se declaram GBT e, por opção deles, não são reservadas celas específicas.

Últimos posts