JUSTIÇA RESTAURATIVA E A COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA

 Em Justiça Restaurativa, Notícias

A Comunicação Não Violenta (CNV) é um tipo de comunicação que se equipara ao estilo de vida inspirado em doação, compaixão e trocas sinceras. Marshall Rosenberg, escritor e psicólogo norte-americano, veio nos mostrar em seu livro um pouco do que significa assumir este modo de viver e, através de sua pesquisa, como é possível implementar seus ensinamentos para promover uma “Cultura de Paz”.

No contexto em que os facilitadores (as) se encontram, na busca pela resolução de conflitos e na reconstrução pacífica das relações entre vítima, opressor e sociedade, a CNV é um dos caminhos a se trilhar para alcançar o propósito da Justiça Restaurativa.

O centro da pesquisa é identificar quais foram as necessidades básicas feridas para desencadear a violência. Para compreender melhor é preciso pensar profundamente os ambientes, a linguagem ensinada a cada pessoa e quais estratégias cada um elabora para sobreviver e como tudo isso influencia nas diversas situações da vida.

É a partir de tais constatações que é possível aplicar a Comunicação Não Violenta de maneira que o outro contribua voluntariamente para o bem-estar comum a todos. O alcance deste objetivo depende das seguintes ações: empatia, expressar-se com clareza, saber como estou, interpretação e autoconhecimento.

Tudo isso são habilidades de pensamento e comunicação que não surgem do nada e sim podem ser estimuladas e desenvolvidas em diferentes contextos, sejam eles prisionais, familiares, ambientes de trabalho, atividades políticas ou no dia a dia.

Este modo de ver e agir diante do mundo pode partir tanto de quem media, quanto das pessoas envolvidas nos conflitos. Por isso, é fundamental nos estudos de Justiça Restaurativa e na formação de facilitadores (as) o estudo aprofundado de Comunicação Não Violenta (CNV) como prática entre círculos de construção de paz.

Assim, se quiser estudar e mergulhar na temática o texto “Vivendo Comunicação: como estabelecer conexões sinceras e resolver conflitos de forma pacífica e eficaz” ficará disponível em nosso site.

Clique aqui para acessar o PDF

DEIXE UM COMENTÁRIO