Defensora garante que há no MP quem queira exterminar os ‘indesejáveis’