Legalização das drogas, uma questão de direitos humanos?