“Ação truculenta na cracolândia criminaliza os mais pobres e prioriza interesses imobiliários”, afirma agente da Pastoral Carcerária