Resolução do Conselho Superior de Polícia mantém a lógica dos ‘autos de resistência’