Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

TJPA e Pastoral Carcerária promovem exposição de telas produzidas por detentos

 em Notícias

Interna superior premiacao ParaForam premiados, em 15 de outubro, os vencedores do concurso de pintura do Projeto Libert’Art, realizado pela Arquidiocese de Belém, por meio da Pastoral Carcerária, em parceria com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe).

Promovido desde 2007 pela PCr local, o concurso tem o objetivo de “fomentar o prazer pelo belo e incentivar que os internos do sistema carcerário do Estado do Pará transplantem para as telas seu olhar sobre o Círio de Nazaré, a maior festa católica do povo paraense”.

O concurso faz parte da programação oficial do Círio de Nazaré e este ano teve 59 obras inscritas, produzidas por detentos de diferentes unidades prisionais paraenses, a partir da temática “Círio, a Festa do Povo”.

“A arte em todas as suas expressões é o caminho para a liberdade. Parabéns a todos que participaram, pois ajudaram a embelezar o mundo”, declarou o arcebispo de Belém, dom Alberto Taveira, durante a cerimônia de premiação no Centro de Recuperação Feminino (CRF), em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém.

As 59 obras participantes do Libert’Art 2014 farão parte de uma exposição itinerante, que visitará órgãos públicos e instituições privadas do Estado. Posteriormente, as obras premiadas no concurso vão compor o acervo do Museu do Círio. As demais serão vendidas a preços definidos pela curadoria do evento, com os valores destinados aos autores.

A exposição Libert’Art 2014 estará aberta à visitação pública no hall de galerias da Susipe (rua Santo Antonio, s/nº, entre Avenida Presidente Vargas e Travessa Frei Gil de Vilanova), até o próximo dia 24 de outubro, das 8 às 18 h, de segunda a sexta-feira.

Os trabalhos premiados

Cinco internos receberam premiação em dinheiro, oferecida pela Arquidiocese de Belém. Com a obra “A sombra do teu manto”, a presa Elizabete Souza conquistou o primeiro lugar no concurso e foi saudada por dom Alberto Taveira (foto). Encarcerada há mais de três anos, essa foi sua primeira experiência com pintura. “Fui muito incentivada pelo professor de pintura do CRF, que disse que eu tinha capacidade. Pintei outras duas telas durante as aulas, e agora pretendo continuar pintando”, afirmou.

Elizabete participou do concurso com um trabalho que representa a maior festa católica do mundo, observada por Nossa Senhora de Nazaré. “Busquei inspiração no tema do Círio, e em tudo que a gente passa quando está preso e longe da família. Aqui dentro não estamos mortos, e a pintura é a forma de voar para longe das grades”, explicou.

O segundo lugar ficou com a obra “Tua luz brilha na escuridão”, presa Josiane Favacho, que declarou gostar de pintura desde a adolescência. Ela contou que após fazer o curso de pintura em tecido, no presídio feminino, decidiu se dedicar às artes. “Minha inspiração vem da força que Nossa Senhora dá para quem reza e pede ajuda para ela. Só fiz a inscrição depois de muita insistência do professor de pintura, e minha intenção era apenas participar. O dinheiro veio em boa hora, pois vou ajudar minha filha a montar o enxoval do meu primeiro neto”.

Interna inferior premiacao pintura ParaEm terceiro lugar ficou o trabalho do preso Alberto Amaral, custodiado no Centro de Recuperação Penitenciário Pará I (CRPP 1). Alberto pintou “A visão de Nossa Senhora de Nazaré”, que foi muito elogiada pela curadora oficial do projeto, Darcilene Costa. “Ele conseguiu representar muito bem o tema. Ficou linda a imagem de Nossa Senhora emoldurada por uma corda, olhando a cidade de Belém. Todas as telas carregam uma energia e um olhar diferente do que estou acostumada a ver, e demonstram o sentimento que eles carregam de liberdade”, ressaltou.

Em quarto e quinto lugar, respectivamente, ficaram os presos Hélio Fernandes, da Central de Triagem Metropolitana I, e Antônio Lima, do Presídio Estadual Metropolitano I, com as obras “Círio: A festa que todos participam e ninguém fica de fora” e “A festa da fé”.

Recommended Posts

Deixe um comentário