Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Seminário sobre revista vexatória acontece dia 28 em São Paulo

 em Notícias

24 Interna_revista_vexatoriaA Rede de Justiça Criminal e a Conectas Direitos Humanos, com o apoio da Associação dos Advogados de São Paulo (ASSP) e do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim), realizam na segunda-feira, dia 28, às 9h30, o seminário “Pelo fim da revista vexatória: diagnósticos e estratégias”.

Estão confirmadas as participações do juiz João Marcos Buch, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, e dos advogados Jennifer Wolf, da Procuración Penitenciaria de la Nación, Mariano Lanziano, do Centro de Estudos Legais e Sociais, da Argentina, e Mayra Cardoso, do Comitê da América Latina e Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher.

A prática da revista vexatória, que consiste em um expediente humilhante, no qual as pessoas são obrigadas a tirar a roupa e ter órgãos genitais revistados sob o pretexto de barrar a entrada de drogas e celulares nas cadeias, tem sido alvo críticas de diversos setores.

“A revista vexatória isola o preso. Os parentes que passam por essa humilhação se afastam. Os próprios presos pedem que suas mães, filhas e esposas deixem de visitá-los para evitar passar por essa prática humilhante e abusiva”, diz o advogado Rafael Custódio, coordenador do programa de Justiça da Conectas. “Essa é uma realidade de muitos países da América Latina, infelizmente. É importante que o combate a essa prática odiosa seja feito regionalmente”, complementa.

Em Goiânia (GO), a revista vexatória foi abolida por lei. “Lá, até onde nós acompanhamos as pessoas já não são mais obrigadas a tirar a roupa. Decisões assim deveriam servir de exemplo para as demais cidades brasileiras. O retorno que vimos é de que as próprias famílias de presos valorizam a medida e dizem que podem visitar seus parentes sem sofrer humilhações”, defende Heidi Cerneka, da coordenação nacional da Pastoral Carcerária.

Porém, em São Paulo, a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) já se pronunciou repetidas vezes sobre o assunto, reafirmando a decisão de seguir submetendo familiares de presos a estes procedimentos.

A atividade acontecerá na sede da AASP, na Rua Álvares Penteado, 151, no centro de São Paulo. Os interessados em participar devem se inscrever pelo e-mail eventos@conectas.org.

Recommended Posts

Deixe um comentário