Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

PCr participa de seminário pelo fim da revista vexatória

 em Notícias

3010 Interna Seminario_vexatoria“Não faltam celulares e drogas dentro dos presídios do país. Ou seja, o procedimento [revista dos visitantes de presos] não atinge seu objetivo que é, na verdade, a não entrada destes objetos”, afirmou Heidi Ann Cerneka, da coordenação nacional da Pastoral Carcerária, durante o seminário “Pelo fim da revista vexatória: diagnósticos e estratégias”.

Realizado em 28 de outubro na Associação dos Advogados de São Paulo (ASSP), no centro da capital paulista, o seminário foi organizado pela Rede de Justiça Criminal e a Conectas Direitos Humanos, com o apoio da e do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim).

Durante a atividade, a Pastoral Carcerária, o Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC) e a Conectas Direitos Humanos apresentaram dados prévios de um levantamento a revista íntima em presídios de São Paulo. Entre fevereiro e abril deste ano, por exemplo, das 12.866 visitas recebidas no CDP de Taubaté, houve somente três flagrantes de porte de drogas e um porte de chip de celular, o que representa 0,03% dos casos.

Vivian Calderoni, da Conectas, apontou que o levantamento indica que não são por meio das visitas que armas, drogas e celulares entram nas unidades prisionais, o que, segundo ela, ressalta que, além de desnecessário, o procedimento de revista vexatória pune a família do preso ao expô-la à humilhação física e psicológica.

No encontro, a mãe de um presidiário relatou que testemunha cenas degradantes com senhoras de idade que não conseguem se agachar durante as revistas e crianças submetidas à revista íntima. “Não há necessidade. Ninguém leva nada dentro de si porque todo mundo que vai ver um filho quer que seu filho saia. Ninguém vai levar droga”, opinou.

A mesma mãe também comentou que a revista íntima é mais implacável contra as mulheres. “Meu marido vai e ele nunca precisou tirar a cueca. Os agentes homens não fazem revista íntima porque eles acham que o homem não vai enfiar nada dentro dele”, lamentou.

Para a representante do Comitê da América Latina e Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher, Mayra Cotta Cardozo, a descrição feita pela mãe revela o lado mercadológico da revista vexatória. “Ainda que fossem as visitas que levassem drogas e celulares para os presídios, a revista não passa por estas questões, mas por uma motivação econômica de quem está em contato direto com os presos, bem como quem está nos cargos de direção”, opinou.

Durante o evento também foram realizadas intervenções do juiz João Marcos Buch, que tratou do tema “A Revista Vexatória no Brasil – Violação à Dignidade Humana: Uma Perspectiva a partir do Sistema Catarinense”; da advogada Jennifer Wolf, sobre “As Revistas como um Tratamento Humilhante e Degradante: Inspeção do Corpo e a Intimidade”; e do advogado Mariano Lanziano, sobre “As Revistas na Argentina”.

Fonte: EFE Brasil

VEJA FOTOS DO EVENTO

Recommended Posts

Deixe um comentário