Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

PCr e arcebispo de Aracaju encontram-se com governador de Sergipe

 em Notícias

Capa_interna_superior_governador_dom_Lessa_e_PCrEm reunião com o governador de Sergipe, Jackson Barreto, em 3 de abril, o arcebispo de Aracaju, dom José Palmeira Lessa, e os integrantes da Pastoral Carcerária estadual, Maria Rita Lopes e Carlos Antônio de Magalhães (Magal), este último também coordenador da Macrorregião Nordeste da PCr, apresentaram demandas sobre a situação dos cárceres e refletiram sobre a expansão de atividades junto à comunidade carcerária de Sergipe.

Dom Lessa expressou que a Pastoral Carcerária tem uma atuação histórica em Sergipe, praticamente desde a fundação do sistema prisional. “A Pastoral tem condição de estar semanalmente nos presídios e os próprios presos sentem como se fosse uma paternidade ou maternidade da pastoral, já que a nossa meta é levar o espírito de Deus e a sua Palavra, acompanhadas de certo cuidado com a situação daqueles seres humanos, sempre a partir do diálogo. Por isso, trouxemos algumas necessidades para que este trabalho continue sendo realizado com êxito”, relatou.

Interna_PCr_dom_Lessa_e_governadorJackson Barreto pediu dom Lessa intermedeie a tramitação na Assembleia Legislativa do Programa de Fortalecimento das Redes de Inclusão Social e de Atenção à Saúde (Proredes) e destacou o trabalho realizado pela Pastoral Carcerária.

“Esta foi uma reunião muito objetiva no sentido de ampliar cada vez mais o espaço da Pastoral Carcerária. Como governador, creio que, embora vivamos num estado laico, é muito justo e relevante que a Pastoral amplie a sua atuação buscando contribuir com a ressocialização dos apenados em Sergipe”, avaliou.

Também participante da reunião, o secretário de Estado de Justiça e Defesa ao Consumidor, Walter Pereira Lima, registrou que a necessidade de expansão do trabalho evangelizador apresentado pela Pastoral Carcerária se coaduna com os objetivos de promover a inserção social dos apenados em Sergipe.

“Nós temos hoje cerca de 4.200 presos numa estrutura de oito grandes presídios. Na visão da igreja e na nossa, há muito trabalho a ser realizado justamente no aspecto da ressocialização. Sociabilizar é a meta da Pastoral, o que se associa com os nossos propósitos”, garantiu.

 

Recommended Posts

Deixe um comentário