PCr do Ceará envia mensagem de Natal

 Em Notícias

Apresentamos a seguir a mensagem de Natal da Pastoral Carcerária do Ceará. “Nós, agentes de Pastoral Carcerária, conhecemos a abertura de inúmeros corações que nem as grades de ferro e nem as muralhas conseguem prender”. Veja a íntegra da mensagem.
Gritem ao mundo que o Filho do Homem está preso
O Menino Deus que tanta ternura desperta em nós no Natal, é o mesmo que disse: “Eu estava preso e vocês me visitaram”.
Para nós que fazemos a Pastoral Carcerária, cada ida aos presídios é um profundo mergulho no mistério do Filho do Homem que se faz encarcerado na carne de cada pessoa encarcerada. Olhos nos olhos, cada encontro é uma oportunidade impar de conversão permanente à mística da verdadeira misericórdia que nos obriga a combater, sem ambiguidades, todo tipo de violência, de preconceito, de falso moralismo e de atitudes paternalista. Pois foi Ele quem disse que tudo que fizermos “a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizeram”.
Neste Natal também, em que pese o crime de quem está atrás das grades dos nossos cárceres desumanos e desumanizadores, repete-se a profecia de Jesus de Nazaré pelos gritos entalados na garganta dos encarcerados e encarceradas e de seus familiares:
É justa nossa maneira de cuidar de quem está preso?
Qual a visão de pessoa humana e de sociedade está por trás das nossas práticas penitenciárias?
Que ideal de Justiça representam?
Que Justiça é esta que pune indiscriminadamente e quase sempre, somente aqueles que poucas ou nenhuma oportunidade receberam da vida?
Será que uma consciência humana e cristã mais coerente não é capaz de oferecer outras respostas para o problema da criminalidade?
Estamos combatendo a criminalidade dentro de um quadro cultural adequado?
Qual a missão das Igrejas perante a injustiça institucionalizada no Sistema Judiciário e Penitenciário?
Há poucos dias, o papa Francisco, na mensagem de Natal em resposta às numerosas cartas postadas pelos presos do cárcere de Latina, na Itália, assim falava:
“As horas, os dias, os meses e os anos passados, ou que vocês estão transcorrendo nesta Casa de Latina sejam vistos e vividos não como tempo perdido ou como uma punição temporária, mas como mais uma oportunidade para o crescimento real para encontrar a paz do coração e a força para nascer de novo e voltar a viver a esperança no Senhor, que nunca desilude”.
Nós, agentes de Pastoral Carcerária, conhecemos a abertura de inúmeros corações que nem as grades de ferro e nem as muralhas conseguem prender. Tudo isso nos confere autoridade para não cansar de repetir em alto e bom som, doa em quem doer: “O sistema penitenciário brasileiro e a sociedade também, estão colaborando para tanto?”
Estas e muitas outras são as profecias que a evangelização nos cárceres não pode calar.
Padre Marco Passerini
Coordenador da Pastoral Carcerária do Estado do Ceará

DEIXE UM COMENTÁRIO