Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

PCr da Diocese de Pato de Minas (MG) reflete sobre os desafios do agir pastoral

 em Notícias

PCr_Pato de MinasA Diocese de Patos de Minas realizou na cidade de Monte Carmelo (MG), em 5 de junho, o 2º Encontro Diocesano da Pastoral Carcerária, com a participação de membros da Pastoral de todas as cidades que compõe a Diocese.

Também estiveram na atividade a Drª Tainá Silveira Cruvinel, juíza da Comarca de Monte Carmelo; Dr. Paulo Henrique Delicole da VEC (Vara de Execuções Criminais) de Patos de Minas; Padre José Antônio, assessor diocesano da Pastoral Carcerária; Padre Clerio Lisboa, coordenador diocesano de Pastoral; Irmã Flori, e o acólito Artur Oliveira, assessor diocesano de comunicação.

De acordo com o Padre José Antônio, a Pastoral Carcerária em todo o Brasil lida constantemente com dois problemas: o preconceito pelo trabalho que realiza e as precárias estruturas das unidades prisionais. “É uma estrutura que não favorece a visitação, mas, também a primeira coisa quando as pessoas ouvem falar do preso é o preconceito, por achar que é uma pessoa que errou, que ela tem que pagar mesmo, a falta de solidariedade, de humildade, de compaixão, que infelizmente nós trazemos na nossa própria estrutura de ser humano, a sociedade capitalista prega isso a falta de solidariedade, a falta de partilha, é um individualismo muito grande, e aí as pessoas não preocupam com os outros, ainda mais uma pessoa que cometeu um crime. Infelizmente, muita gente só vai preocupar quando um parente dele entra lá, ai a pessoa já muda a visão e vê o preso de uma forma mais humana, e assim, as vezes se preocupa em visitar”, comentou.

A Doutora Tainá Silveira Cruvinel, juíza da 1ª Vara Criminal da Comarca de Monte Carmelo, citou exemplos de pessoas atentas à realidade carcerária, como o próprio Papa Francisco, que hoje se destaca como um grande líder religioso e humano, que prega o trabalho de ações pacificas para o bem com atitudes concretas em favor do próximo. “Frequentar a igreja, frequentar os cultos, as missas, os encontros religiosos, tudo isso é muito importante, mas, nós precisamos ir além, nós precisamos praticar ações pacificas para o bem, desenvolver projetos para transformar aquilo que nós aprendemos nas missas, nos cultos, nos encontros religiosos, em ações concretas”, afirma a Juíza.

Na avaliação do acólito Artur Oliveira, a Pastoral Carcerária exerce “cumpre um papel muito bonito na Igreja Católica no Brasil e no mundo. É a oportunidade que nós temos de anunciar a Jesus Cristo a tantas periferias existenciais e humanas que existem na nossa realidade, sabemos que o detento paga uma pena por um crime que ele cometeu e a pena que ele paga é uma pena justa, porém este ambiente em que ele vive deve ser um ambiente de humanização e de reinserção à sociedade que ele está prestes a retornar”, disse.

(Com informações da Pastoral da Comunicação da Diocese de Patos de Minas)

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário