Pastoral Carcerária do Maranhão elege nova coordenação estadual

 Em Notícias

Capa Assembleia MaranhaoO Centro de Treinamento Diocesano João Paulo II, em Caxias, no Maranhão, foi sede, de 21 a 23 de novembro, da assembleia estadual da Pastoral Carcerária, atividade durante a qual foi eleita a nova coordenação da PCr do Maranhão.
Padre Roberto, da Arquidiocese de São Luís, foi eleito como coordenador estadual, e terá como vice a Irmã Cristina, de Santa Inês. Também foi escolhida como secretária a senhora Francisca Raquel, enquanto o Padre Elisvaldo Cardoso da Silva, até então coordenador da PCr maranhense, será o responsável pela tesouraria.
O tema da assembleia foi “Evangelizando e promovendo a liberdade”, e o lema “Ide e anunciai a toda criatura (Mc 16,15)”. Estes serviram de base para as orações, partilha de vivências, reflexões e palestras realizadas ao longo dos três dias
Em uma das palestras, Padre Elisvaldo falou sobre as missões, dificuldades e anseios da Pastoral, bem como do perfil e comprometimento do agente da PCr.
Padre Beto, da Diocese de Caxias, tratou do tema “Ser agente de pastoral carcerária hoje”. Ele mostrou que a PCr é uma pastoral de reconciliação, pois visa resgatar, por meio do perdão, a vida de quem está marginalizado. Ele lembrou que ser agente da Pastoral é reproduzir a imagem de Cristo, a partir de uma vida pautada no Evangelho.
Convidado a palestrar na assembleia, André Barreto, superintendente da Secretaria de Estado da Justiça e da Administração Penitenciária (SEJAP) do Maranhão, apontou para as problemáticas do sistema carcerário no País e detalhou algumas alternativas de melhorias. Segundo ele, as más condições das prisões decorrem da falta de estruturação e no caso do Maranhão, especificamente, da escassez de recursos para o sistema prisional.
No dia 22 de novembro, os participantes da assembleia visitaram a Casa de Custódia de Presos e Justiça da cidade de Caxias, onde puderam, ao longo de uma hora, conversar do lado de fora das celas com os presos e atestarem as precárias condições sanitárias em que estão: celas sujas e com mau cheiro que impregna o ambiente.
Interna_inferior MaranhaoCom base nas reflexões ao longo da assembleia, os participantes apontaram que é preciso trabalhar questões práticas sobre a PCr nos encontros com os agentes e não apenas realizar palestras; Defenderam que as mulheres presas tenham os mesmos direitos a banho de sol do que os homens; Alertaram para a péssima qualidade da comida que é ofertada aos encarcerados; e comentaram que na visita aos presídios a intensa proximidade dos agentes carcerários dificulta uma interação mais aberta com os presos.
No último dia de atividades, Padre Elisvaldo sintetizou o que houve na assembleia nacional da PCr, realizada em novembro, em que houve ênfase na questão da justiça restaurativa e da defesa de direitos como bandeira da PCr. Foi ainda apresentada as atividades da coordenação regional entre 2012-2014; e decidiu-se que a próxima assembleia do Regional Nordeste 5 (Maranhão) acontecerá na cidade maranhense de Imperatriz, em novembro de 2015.

DEIXE UM COMENTÁRIO