Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

No Pará, Padre Valdir Silveira trata da realidade carcerária com a Defensoria Pública

 em Notícias

Padre_Valdir_no_ParaEm visita ao Pará, para tomar ciência da realidade carcerária no estado, o Padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária, reuniu-se na terça-feira, 13, com o defensor Márcio Alves Figueira, coordenador da Defensoria Pública do município de Breves.

Na oportunidade, o Padre e outros representantes da Pastoral expuseram os altos índices de superlotação dos presídios do Estado e houve a proposta de se realizar trabalhos em parceria com a Defensoria Pública.

“A Pastoral Carcerária Nacional falou da preocupação com a privatização do sistema prisional e com a ausência de concursos públicos para os cargos de agentes prisionais, que são ocupados por temporários, que muitas vezes não têm profissionalização. Outra questão debatida foi a militarização do sistema prisional, pois a maioria dos diretores do presídio  são ligados à Polícia Militar, o que engessa a problemática”, relatou o defensor Márcio.

O defensor revelou que no Marajó a superlotação também impera. “O Centro de Recuperação de Breves tem capacidade para 170 presos, mas está superlotado com 270, pois comporta a população carcerária dos 16 municípios do Marajó e, ainda, o município de Gurupá”, revelou.

Durante a reunião, o coordenador nacional da Pastoral Carcerária e o defensor também discutiram propostas para resolver o problema do grande analfabetismo entre os custodiados. “Os presos precisam ser alfabetizados, pois a cada 12 horas de estudos eles têm direito a um dia de remição de pena. E a Pastoral Carcerária se comprometeu a repassar os parceiros que podem nos ajudar neste trabalho de alfabetização”, explicou Márcio Figueira.

Outra necessidade abordada foi a melhoria das condições de saúde dos presos. “Os presos aqui do Marajó têm precários atendimentos de saúde. Então a Pastoral Carcerária Nacional vai nos repassar um projeto piloto para garantir uma equipe mínima de saúde no presídio, por meio do acesso a recursos do Departamento Penitenciário Nacional”, afirmou o defensor.

Para amenizar a situação da superpopulação carcerária na região, o coordenador da Defensoria em Breves observou que já foi agendado um mutirão da instituição no município de Bagre, a ser realizado no período de 21 a 23 de outubro. “Sabemos que um dos maiores problemas é o caso dos presos provisórios, principalmente os que estão em municípios onde não há atendimento da Defensoria Pública”, alertou.

 

Em Santarém

No dia 8 deste mês, o Padre Valdir e representantes da PCr da Diocese de Santarém participaram de uma reunião com os defensores públicos Vinicius Toledo e Jane Télvia para falar da situação precária nos presídios de Santarém.

A PCr local informou que está tendo dificuldade para acessar os presídios da cidade. “Foram relatados casos de corrupção, torturas, falta de atendimento médico adequado, alimentação e é uma demanda que os apenados sempre reclamam para os defensores”, disse Vinicius Toledo.

Outro ponto discutido foi o fechamento do Núcleo Regional Tapajós, em Itaituba, o que tem dificultado o acesso dos representantes da pastoral aos presídios desse município. O defensor explicou que os custodiados são prioridade da Defensoria.

A Pastoral pediu à Defensoria em Santarém para que os defensores visitem as dependências das casas penais da cidade e outros municípios da região. “O objetivo é evitar os embaraços, pois há limitação de celas e de números de visitantes pela pastoral”, informou Vinicius.

No dia 16 de outubro, representantes da Pastoral Carcerária Nacional vão se reunir com o Defensor Público Geral do Estado, Luis Carlos Portela, para expor todas as demandas prisionais do Pará. Além do Padre Valdir Silveira, o diácono Ademir da Silva, coordenador da PCr no Pará, participará do encontro.

 

Fonte: Defensoria Pública do Estado do Pará

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário