Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Irmã Petra participa de programa de TV sobre trabalho para presos

 em Notícias

Capa e interna superior Programa Camara“Presos devem trabalhar?”. Esta foi a pergunta central do programa Participação Popular, exibido ao vivo pela TV Câmara, em 17 de abril, com apresentação de Fabrício da Rocha, e participação, em estúdio, de Mara Barreto, coordenadora geral de Reintegração Social e Ensino do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), e de Lourdes Bandeira, socióloga e antropóloga, professora do departamento de sociologia da Universidade de Brasília (UnB).

Por telefone, também participaram o deputado Sergio Brito (PSD-RJ), relator da CPI do Sistema Carcerário Brasileiro, e a Irmã Petra Silvia Pfaller, coordenadora nacional da Pastoral Carcerária para a Questão da Mulher Presa.


CLIQUE E ASSISTA A REPORTAGEM COMPLETA

Mara Barreto lembrou que há dificuldades para implementar iniciativas de trabalho nas prisões por conta da superlotação carcerária, e ainda apresentou dados do Depen que mostram que apenas 22% da população prisional do Brasil trabalha, mas que há estados em que esse percentual é de no máximo 2%. Para ela, há o desafio de fornecer ensino aos presos, já que a maioria, 57%, sequer concluiu o ensino fundamental. Mara avaliou, ainda, que é preciso haver um pacto de âmbito federal para viabilizar condições de trabalho aos presos.

Lourdes Bandeira pontuou que com 78% dos presos sem trabalhar é difícil que consigam ser bem aceitos pela sociedade quando forem soltos. Para ele, o trabalho nas prisões deveria estar vinculado a um sistema de ensino profissionalizante, o que motivaria o preso a se dedicar ao trabalho e ao estudo, pois saberia que ao sair estaria bem capacitado profissionalmente.

O deputado Sérgio Brito disse que a CPI do sistema carcerário está atenta às políticas de trabalho nas prisões e deseja que o trabalho nos cárceres esteja atrelado a um processo de qualificação profissional. “O preso custa em torno de seis a sete mil reais para a sociedade. Devemos ter condições de qualificá-lo e colocá-lo em um patamar de condições de igualdade com qualquer outro cidadão, colocarmos esse egresso no mercado de trabalho custando um salário mínimo, incentivando uma empresa a contratar esse egresso”, afirmou.


‘O preso quer trabalhar’, garante Irmã Petra

Interna inferior programa CamaraAo participar do programa, Irmã Petra garantiu que a maioria dos presos tem condições de trabalhar nas prisões. “O preso quer trabalhar, gosta de trabalhar, quer ocupar o tempo”.

Ela, no entanto, apontou para os problemas de implantar expedientes de trabalho nos cárceres. “Primeiro, falta espaço físico, faltam salas, galpões, um espaço para eles poderem exercer esse trabalho e para instalar máquinas. Qualquer projeto que a gente leve para dentro dos cárceres, já vem o chefe de segurança falando não pode, é perigoso, não tenho espaço físico”.

A Irmã lembrou, ainda, que já há empresários que utilizam o trabalho dos presos, recebendo incentivo fiscal por isso, mas questionou como fica a condição do trabalhador encarcerado. “A pessoa presa é uma mão de obra barata, não entra no regime trabalhista, não está na CLT, não tem direito a seguro de acidente, previdência, então, diante dessa mão de obra barata, muitos empresários aproveitam”.

“Se perguntarem ao preso se ele quer trabalhar, ele dirá que quer trabalhar. Por duas razões: primeiro pela remissão de pena e segundo porque vai ganhar um dinheirinho, que é não é um salário justo como é aqui fora, mas ele vai querer. Mesmo nas frentes de trabalho onde não há remuneração, mas há remissão, ele aceita, porque é bem melhor do que ficar lá dentro parado, pois também ajuda bastante na manutenção dele dentro do presídio, como também a manutenção da família. Mas e se acontecer um acidente? É difícil! Mas sem dúvida, o preso vai querer trabalhar nas condições que são oferecidas”, concluiu a Irmã.

Recommended Posts

Deixe um comentário