Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Governo de SP ainda não decidiu se vai comprar ou alugar scanners para presídios

 em Notícias

Scanner_para_revista_vexatoriaO governo de São Paulo tem até 180 dias para regulamentar a lei nº 15.552/2014, sancionada pelo governador Geraldo Alckmin, em 13 de agosto, pela qual ficam proibidos os procedimentos de revista vexatória em familiares e companheiros de presos durante as visitas que fazem às unidades prisionais paulistas.

Em 18 de agosto, o governador declarou que em substituição às revistas íntimas, o estado irá alugar ou comprar scanners para os presídios. A aquisição de cada equipamento custa, em média, R$ 150 mil. O valor do aluguel não foi informado pelo Executivo paulista.

Alckmin afirmou que algumas unidades devem contar com scanners comprados e outras com equipamentos alugados. “Nós vamos iniciar pelas mais necessárias”. Ele também comentou que a mudança nos procedimentos será gradual. “Enquanto a gente não tiver os scanners tem que manter [a revista], por isso o prazo de seis meses que a própria lei estabeleceu.”

A Pastoral Carcerária, em nota publicada em 14 de agosto, enfatiza que “a despeito do dispositivo que estabelece 180 dias para ‘regulamentação’ da lei, é inadmissível que tal lapso sirva de permissão à continuação da prática da revista vexatória que, repetimos, é absolutamente ilegal e inconstitucional”.

Em entrevista à revista Caros Amigos, Paulo Malvezzi, assessor jurídico da Pastoral Carcerária Nacional, revelou preocupação com a efetiva aplicação da lei e lembrou que a sociedade deve estar atenta para que o governo não impeça o contato do preso com o familiar. “Isso só tende a piorar o aspecto desumano do cárcere”.

Paulo criticou, ainda, alguns vetos do governo ao sancionar a lei. No projeto original, do deputado José Bittencourt, além dos estabelecimentos prisionais, estavam inclusas as unidades de internação de menores e manicômios judiciais. “A gente pretende aprofundar ainda essa crítica. Mas o projeto não atinge como um todo o que a gente tem construído junto com as organizações, o que a gente considera ideal”, afirmou.

Sobre a lei nº 15.552/2014

A lei que proíbe as revistas íntimas nas unidades prisionais foi sancionada em 13 de agosto. Ela proíbe que o visitante de pessoa presa seja obrigado a se despir, fazer agachamentos, dar saltos ou se submeter a exames clínicos invasivos. A regulamentação deve acontecer em um prazo de 180 dias.

A lei prevê que os visitantes passem por detectores de metais, scanners corporais, aparelhos de raios-x ou outros equipamentos que possam detectar alguma irregularidade sem ameaçar a integridade física, psicológica ou moral do revistado.

Caso a suspeita dos agentes penitenciários persista, o visitante deve ser submetido a uma nova verificação com um aparelho diferente do utilizado na primeira revista. Se a suspeita persistir, ele poderá ser impedido de entrar na unidade prisional.

Se a pessoa insistir, ela será encaminhada a um ambulatório, onde um médico realizará os procedimentos adequados para averiguar a suspeita. Caso sejam encontrados drogas ou objetos proibidos, o visitante será levado para uma delegacia para serem tomadas as providências cabíveis.

Fontes: Portal G1 e Revista Caros Amigos

LEIA A NOTA DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário