Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Em São Paulo, presos em CDPs não têm acesso à mídia impressa

 em Notícias

Restricao_leitura_cdpsAo menos em 11 dos 19 Centros de Detenção Provisória (CDPs) existentes na Grande São Paulo há proibição de que familiares de presos levem a eles qualquer tipo de jornal ou revista como item do jumbo (lista de produtos de higiene, alimentação e de uso pessoal), conforme apontou recente reportagem da Carta Capital.

Em alguns CDPs, a alegação para a proibição é que as páginas, quando destacadas, podem ajudar os detentos a esconder materiais proibidos nas cavidades das paredes do cárcere. Outras unidades prisionais argumentam que os internos “já têm” direito de assistir à televisão, ouvir rádio ou mesmo que a unidade possui biblioteca para aqueles interessados em ler.

Segundo a reportagem, nos CDPs de Diadema, Franco da Rocha, “ASP Nilton Celestino” de Itapecerica da Serra, Mauá, Mogi das Cruzes, CDP I “Ederson Vieira de Jesus” de Osasco, CDPs III e IV de Pinheiros, Vila Independência, Suzano e CDP I “ASP Vicente Luzan da Silva” de Pinheiros a entrada de jornais e revistas é completamente proibida.

“Muitos dos funcionários que informavam quais eram as restrições de cada unidade não souberam dizer por que, exatamente, se proibia ou permitia a entrada de determinadas publicações. Apesar das normativas, não existe uma regra unânime. Alguns CDPs permitem a entrada de publicações especializadas, como de automobilismo ou de fofocas sobre celebridades. Outras vetavam todos os tipos, permitindo apenas livros didáticos e revistas de palavra cruzada”, detalha a reportagem.

As decisões aleatórias de cada CDP não correspondem ao regimento das unidades. A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) reconheceu que desde 1999 não se atualiza o Regimento Interno Padrão das Unidades Prisionais da Secretaria da Administração Penitenciária, mas lembrou que o texto que diz respeito aos CDPs e presídios do estado prevê em seu 22º artigo que constituem como direitos básicos dos presos provisórios, condenados e internados: “b) leitura de jornais e revistas socioeducativas que não comprometam a moral e os bons costumes; c) acesso à biblioteca da unidade prisional e à posse de livros particulares, instrutivos ou recreativos.” Além disso, lembra que o artigo 172, no capítulo III, contempla que “o preso pode ter acesso à leitura e a outros meios de comunicação, adquiridos às custas próprias ou por visitas, sendo que devem ser submetidos previamente à apreciação da direção da unidade prisional”.

Em entrevista recente à Carta Capital, padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária, comentou a questão. “Não há assinatura de jornal e não há nada que regulamente isso. Por outro lado, sabemos que quanto maior o acesso à informação, mais a pessoa vai se formando socialmente. Se o presídio tem o dever de reintegrar o preso à sociedade e corta os meios de comunicação impressos, então ele está destruindo a maior finalidade que teria”, opinou.

CLIQUE E LEIA A REPORTAGEM COMPLETA DA CARTA CAPITAL

 

 

Recommended Posts

Deixe um comentário