Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Coordenador da PCr de Cuiabá comenta situação carcerária no Mato Grosso

 em Notícias

Com quase 4 mil pessoas presas além da capacidade dos cárceres, o sistema prisional do Estado do Mato Grosso enfrenta dificuldade com a superlotação carcerária, que leva ao desrespeito à dignidade humana, desconforto dos presos e a não recuperação das pessoas, conforme avaliou o padre Zeca Geeurick, coordenador da Pastoral Carcerária de Cuiabá, em entrevista ao site Mídia News.

Carceres_MTDe acordo com o padre, “tem muitas pessoas em condições de estar em prisão domiciliar ou no sistema semiaberto. Elas não podem passar mais tempo do que o necessário no sistema fechado”. Ele lamentou que atualmente qualquer desavença entre as pessoas redunde em prisão. “A briga em casa hoje é criminalizada. Aumenta o número de presos, mas nem sempre o fato justifica mandar alguém para o sistema prisional”, observou.

Ainda segundo o coordenador da PCr de Cuiabá, a Justiça é classista. “Cadê os presos do colarinho branco? A grande maioria dos detentos é de negros, pobres e sem estudo. Um dos poucos presos era um que estudava para ser dentista. Os negros são visados pela Polícia e não um grupo de jovens brancos”, enfatizou.

Além da superlotação, padre Zeca criticou o fato de os presos não terem ocupação nas unidades prisionais. “Não há nada para eles fazerem. No CRC (Centro de Ressocialização de Cuiabá), tem a oficina de marcenaria, mas não há madeira para eles trabalharem”, destacando que na Penitenciária do Pascoal Ramos, em Cuiabá, é a que está em pior em condições.

Fonte: Mídia News

 

 

Recommended Posts

Deixe um comentário