Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Comissão de Direitos Humanos visita sistema penitenciário em Rondônia

 em Notícias

31 Urso BrancoComeçou na quarta-feira, 31 de julho, e segue até sexta-feira, 2 de agosto, a visita do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) ao sistema penitenciário do Estado de Rondônia.

O propósito é monitorar o cumprimento das ações de melhorias no sistema carcerário no estado, pactuadas junto à Corte Interamericana de Direitos Humanos, em Bogotá, na Colômbia, em 2011.

Regularmente, a cada seis meses, a comissão inspeciona o sistema prisional do estado e de modo especial a Casa de Detenção Dr. José Mário Alves, mais conhecida como Urso Branco, para ver se as medidas acordadas na visita anterior estão sendo cumpridas.

Durante a inspeção, tópicos do acordo em desenvolvimento nas unidades penitenciárias da capital são verificados. O pacto é dividido em cinco eixos de atuação que definem as medidas a serem implantadas no sistema penitenciário do estado como: investimentos em infraestrutura e ampliação de vagas; contratação e qualificação de servidores; aperfeiçoamento dos serviços de reinserção e ressocialização dos presos e demandas de seus familiares, que inclui melhorias na qualidade da água e alimentação oferecidas aos apenados, saúde, higiene, segurança, educação e profissionalização, entre outras medidas.

Condições precárias no Urso Branco

Relatos de visitas feitas em fevereiro pelo Conselho da Comunidade em Porto Velho, e publicados pelo Site da PCr Nacional, dão conta das precárias condições de Urso Branco, sendo comuns situações de desvio de função dois agentes penitenciários, que são insuficientes para a quantidade de presos acima da capacidade do local.

As condições sanitárias e de acomodação também são péssimas segundo o mesmo relato, com insuficiência de kits de higiene pessoal, falta de colchões, pouco acesso aos serviços da Defensoria Pública e quase inexistência de serviços médicos.

Leia a reportagem sobre o relato do conselho da comunidade

 

 

Recommended Posts

Deixe um comentário