Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

A Pastoral Carcerária x papa Francisco

 em Notícias

Padre_BoscoA Pastoral Carcerária Católica é vitima de criticas, por causa de sua missão. Jesus e os profetas, mais que criticados, foram também mortos por causa da fé e da missão. O segredo da missão consiste em perseverar até o fim. Na nossa Pastoral, temos os dois exemplos: pessoas que se afastaram e pessoas que lutaram até que as forças fossem suficientes.

Não temos só críticos, mas incentivadores (as). Essas pessoas também são muitas. O padre Valdir João Silveira, o nosso coordenador nacional, já lembrou-nos a respeito do novo agente da Pastoral Carcerária, o papa Francisco.

Basta pesquisar um pouco, sem muito esforço, e vamos encontrá-lo falando sobre as prisões, falando aos capelães, visitando-os, celebrando com eles, respondendo cartas, dizendo que lhes telefonava, e, se perguntando: porque eles e não eu? Também o Papa já disse refletir sobre o texto do juízo final que nos apresenta a caridade e não a oração como critério para o julgamento final. Isso tudo que nos dizer que o Papa é, de fato, um grande incentivador da missão da Igreja em todos os campos.

O Papa tem pedido a toda a Igreja que sai de si e vá ate às periferias, geográficas e existenciais. Penso que a periferia existencial mais critica seja a prisional. Por isso, ali está a Pastoral, espalhada por todo esse imenso Brasil, sem receber nada de material em troca. Muitas vezes, ouvindo xingamento de terceiros, mas fiel, atendendo ao convite do Papa para encontrar Jesus Crucificado e aprender com a sua dor para com ele ressuscitar.

Essa periferia geográfica é reservada para os pobres. Muitas vezes afastada de tudo e de todos. Só os familiares e a Pastoral assumem o compromisso de acompanhá-los naquela situação feita para desestruturar e destruir a pessoa humana.

A pessoa presa sabe que pouco a Pastoral pode fazer, mas dá sempre graças a Deus pela chegada e presença. “Seria muito pior a nossa situação sem vocês”, dizem as pessoas presas por ocasião das visitas.`

A pastoral de Jesus, também a do Papa, é aquela na qual se busca por primeiro o bem estar das ovelhas. O pastor se for bom é aquele que dá a vida pelas suas ovelhas. Não se pode esquecer que em uma comunidade paroquial onde existe uma cadeia ou um presídio, o padre não pode dizer que não vai visitar por que tem medo. As pessoas detidas são parte integrante do rebanho e o pastor não pode ter medo das ovelhas, nem dos lobos, pois ele precisa salvar as ovelhas dos perigos. Quem está na prisão está submetido a inúmeros perigos. Nós, que sempre ouvimos as histórias das prisões sabemos do medo a que são submetidos estes irmãos e irmãs.

A Igreja, no exercício da sua missão, corre o risco de se acidentar, de ser vitima de algo inesperado. O papa Francisco prefere essa Igreja que se expõe e não aquela que se tranca e se esconde. O próprio Papa se expõe em suas visitas para poder ficar perto das ovelhas, para dar o exemplo a todos. Assim, a Pastoral Carcerária também não pode se esconder, ficar com medo. O “objeto” de sua ação é a pessoa presa e, por isso, ela não pode perder o foco no seu encontro com quem se encontra segregado, condenado pela sociedade, pela mídia e pela justiça.

 

Padre Bosco Nascimento

Coordenador da Pastoral Carcerária no Estado da Paraíba

Presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos

E-mail: pebosco@yahoo.com.br

 

Recommended Posts

Deixe um comentário