Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

A Pastoral Carcerária tem encontro com presidente da CNBB

 em Notícias

Capa_Pastoral_Dom_SergioNa ida a Brasília, em agosto, para participar de atividades na Comissão da Pastoral da Caridade, Justiça e Paz e no Ministério da Justiça, Dom Otacílio Luziano da Silva, bispo referencial da Pastoral Carcerária Nacional, os padres Valdir João Silveira e Gianfranco Graziola, coordenador nacional e vice-coordenador da PCr, tiveram um encontro com Dom Sérgio da Rocha, presidente Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a fim de o informar da realidade e pedir apoio da Conferência pelas graves temáticas e espinhosas realidades que a Pastoral encara todo o dia na sua ação e caminhada.

Também estavam no encontro o Frei Reginaldo, dos Mercedários e o Diácono Tranquilino, da coordenação da Pastoral Carcerária do Distrito Federal.

No encontro franco e cordial, foi apresentada a situação do sistema prisional e o crescente encarceramento que está acontecendo no Brasil, quarto país no número de encarcerados, a seguir os Estados Unidos, China e Rússia. Contrariamente à tendência dos outros três onde o número diminui, no Brasil, aumenta vertiginosamente o encarceramento, particularmente nos últimos dez anos, trazendo mais violência e tortura.

Foram também apresentadas ao Presidente da CNBB as pautas e questionamentos da Pastoral Carcerária, todos eles ligados à Agenda Nacional pelo Desencarceramento, construída e debatida com diversas entidades da sociedade civil que trabalham no âmbito do Sistema Penitenciário ou temas afins.

As grandes e graves questões tem a ver com encarceramento em massa – com o aumento de mais de 136%  e de  400% no caso das mulheres nos últimos dez anos; a privatização do sistema carcerário e APACs; a construção de novos presídios e a criação de novas vagas; o aumento da população carcerária e a questão dos presos provisórios,  em alguns casos chegando ao 70% dos encarcerados; a questão da descriminalização das drogas e dos próprios usuários e seu tratamento como casos de saúde, dado que uma consistente parte  da população carcerária está ligada ao trafico de drogas. Além disso, é preciso ressaltar que “o cárcere é igual ao cemitério, não tem volta”, afirmou o Padre Valdir. Além disso, foi mencionado ao Dom Sérgio a presença capilar da Pastoral que está organizada em quase todos os Estados tendo a exceção do Acre, de Tocantins e Alagoas, embora exista e opere em todos eles.

Perante o panorama de endurecimento das leis e vários projetos de morte tramitando no Parlamento, evidenciou-se o trabalho politico institucional e os contatos pontuais e com visitas a pessoas e diferentes órgãos do judiciário. Importantes para a Pastoral Carcerária são a criação e execução de politicas públicas, a abertura dos presídios, fomentadores de crimes e violência. Além disso, a proposta da Justiça Restaurativa questionando e mudando o conceito de justiça punitiva em vigor, fomentando a responsabilização das pessoas, dos âmbitos familiares e da própria coletividade.

Olhando o mundo eclesial, foi pedido que haja uma maior colaboração e entrosamento com as pastorais sociais e organismos ligados à CNBB, a fim de evitar desgastes e frustrações desnecessárias numa caminhada muitas vezes complicada por si mesma. Enfim, foi pedido que a CNBB defina as caraterística e as atribuições do bispo referencial de cada pastoral de maneira que se possa efetivamente contar com sua presença na caminhada e nas questões enfrentadas seja no foro interior como exterior. Nesse sentido, ficou combinado que Dom Otacílio escreveria uma carta – pedido ao Dom Leonardo Steiner, secretário geral da CNBB para que o tema “encarceramento e cárcere” entre na pauta da próxima assembleia.

Dom Sérgio por sua parte agradeceu o trabalho da Pastoral Carcerária que ele considera altamente profético e assegurou total apoio em relação às graves e complicadas questões fazendo-se interlocutor e porta-voz, inclusive no âmbito das relações institucionais. Também esse encontro foi ocasião para estreitar relações humano institucionais, firmando o compromisso de manter aberto um constante canal de informação para tornar mais incisiva e efetiva a ação da Igreja junto daqueles que hoje são considerados o “lixo” e os “descartáveis” de nosso sistema econômico e da própria sociedade fortemente consumista.

 

(Redação: Padre Gianfranco Graziola)

Recommended Posts

Deixe um comentário