Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

41% dos mortos por intervenção policial em GO não tem identificação

 em Notícias

Por Thalys Alcântara
Do O Popular

Quase metade dos mortos por intervenção policial em Goiás no primeiro semestre de 2018 não estava com carteira de identidade no momento em que foram alvejados. Para a Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), isso é um indício de que essas pessoas tentavam “burlar ou esconder a sua identidade”. Dos identificados, 74% possuíam antecedentes criminais e 26%, não. Os dados são do Observatório de Segurança Pública da pasta e são feitos a partir dos registros de atendimento integrado, os RAIs.

Dados do Grupo de Controle Externo da Atividade Policial (GCEAP) do Ministério Público de Goiás (MP-GO) identificam os nomes de 184 mortos, que representam quase 80% do total de vítimas, porcentagem maior que a de identificados pela estatística oficial da SSP-GO. Os dados do GCEAP são repassados pela própria secretaria em cumprimento a uma portaria do ano passado que determina que todo óbito após abordagem deve ser comunicado ao MP-GO.

A reportagem identificou 233 mortos por intervenção policial entre janeiro a junho de 2018 a partir de dados do MP-GO e de notícias veiculadas na rádio CBN. No entanto, o número oficial calculado pelo Observatório a partir de RAIs é maior, de 241 óbitos após abordagem da PM.

Passagem

Dentre os mortos que possuíam antecedentes criminais, a maior parte tinha passagem por roubo (19%), seguido de porte de armas (15%) e tráfico de drogas (14%), receptação (13%), homicídio e furto (ambos 8%). Para a SSP-GO isso demonstra que “os criminosos que enfrentam as forças policiais possuíam antecedentes por crimes violentos.”

Os dados do Observatório também mostram que 99% dos mortos por intervenção policial são do sexo masculino e que a maioria é jovem. Dentre os identificados, um quarto tinha entre 18 e 24 anos, 11% tinha entre 25 e 29 e 6% eram adolescentes.

Últimos posts