Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Pastoral Carcerária realiza II encontro regional sobre a questão da mulher presa

 em Mulher Encarcerada

Capa interna superior GoianiaEntre os dias 11 e 13 de março, na cidade de Goiânia (GO), foi realizado o II Encontro Regional da Pastoral Carcerária sobre a Questão da Mulher Presa. Com formações, místicas, partilhas e orações, o encontro possibilitou um final de semana com o olhar totalmente voltado para as mulheres encarceradas. Como o debate sobre a população carcerária já é bastante difícil e esquecido, é muito importante, tendo um sistema prisional pensado por homens e para homens, lembrar daquelas que são ainda mais invisibilizadas: as mulheres presas. E junto delas lembrar de seus filhos recém-nascidos, que passam os primeiros meses de vida dentro da prisão.

Organizada pela Coordenação Nacional da PCr para a Questão da Mulher Presa, conduzida pela Irmã Petra Silvia Pfaller, a primeira experiência sobre a temática foi realizada no ano passado, em Porto Alegre (RS), e contou com agentes de diversas cidades, das regiões Sul e Sudeste, em um momento de partilha de experiências e formações. O II Encontro, realizado nesse mês, contou com a presença de membros da Pastoral Carcerária de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Rondônia, Espírito Santo, Piauí, São Paulo e Rio Grande do Sul. Em abril será realizado o III Encontro, na cidade de Salvador, com representantes dos estados do Norte e Nordeste. Essas experiências fazem parte de um projeto financiado pela entidade católica alemã Adveniat.

Interna inferior evento Goiania


O cárcere e as mulheres presas

Com a ajuda da pesquisadora e professora Bruna Angotti, que acompanhou e assessorou o encontro nos dois dias, foi trabalhada a tentativa de entender quem são as mulheres presas, quais as condições em que vivem, por que a população carcerária feminina aumentou tanto nos últimos anos, e como é possível, tendo em vista o horizonte de um mundo sem cárceres, intervir nessa realidade.

A prisão, na perspectiva de Angotti, é sempre a sombra. É espaço de violência, de dor, de sofrimento. Mesmo que a passagem pela prisão seja transitória, a marca de quem viveu o encarceramento dura para o resto da vida. Marca que atinge não somente a pessoa presa, mas também sua família, aqueles que trabalham nas unidades e também os agentes da pastoral que realizam as visitas. Ela destacou a importância da presença da PCr nos cárceres: a possibilidade de trazer à sociedade o que acontece dentro dos muros é essencial para a garantia dos direitos de quem está dentro e também para difundir o sonho de um mundo sem prisões.

No caso específico da mulher, entender as condições de aprisionamento e as marcas dessa vivência na sombra passa por compreender o espaço da mulher na sociedade e as expectativas sociais que lhe são atribuídas. A prisão feminina tem a dupla função de aprisionamento social e moral: é a criminalização de quem rompeu com o papel de “ser mulher”.

E o aumento expressivo da população carcerária feminina nos últimos anos mostra um sistema de justiça cujos olhos estão cada vez mais se voltando às mulheres. E não quaisquer mulheres. Assim como ocorre com os homens presos, o processo de criminalização tem um olhar seletivo que busca especialmente mulheres negras e pobres, sobretudo mães.

E como fazer com as mulheres que são mães? O sistema prisional retira totalmente a autonomia da mulher para decidir sobre sua vida e sobre o destino de seus filhos. A prisão de mulheres grávidas faz com que bebês tenham seus primeiros meses de vida presos, mesmo com a previsão legal de prisão domiciliar! E com relação às mulheres que já eram mães, o encarceramento provoca uma ruptura profunda de laços.

Angotti lembra também que falar de encarceramento feminino é falar sobre a chamada “guerra às drogas”. No Brasil, 65% das mulheres estão presas por crimes ligados a entorpecentes e é urgente a reversão desse quadro.

Com a ajuda do Padre Almir José Ramos, assessor nacional de saúde da PCr, foram trabalhadas as questões específicas de saúde da mulher encarcerada. É visível o despreparo e a insuficiência do atendimento à saúde dentro das unidades prisionais, o que leva a um quadro de adoecimento físico e mental causados pelo encarceramento.

Falar de saúde, de autonomia, de dignidade das mulheres presas é falar, necessariamente, de desencarceramento. Pois a prisão é por excelência o espaço da exclusão, das faltas de condições mínimas, do adoecimento: é o espaço da sombra.

O encontro teve a perspectiva, dessa forma, de pensar formas de lutar contra o encarceramento. Foi trabalhada a Agenda Nacional pelo Desencarceramento, com 10 diretrizes essenciais para caminhar rumo a um mundo sem prisão.

Angotti apontou, também, a descriminalização de condutas, a aplicação do indulto, o uso da cautelar de prisão domiciliar para mulheres mães, gestantes e lactantes, entre outras medidas, como saídas possíveis. Também, o cumprimento das disposições da Lei de Execuções Penais e das Regras de Bangkok, recém traduzidas para o português.


FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário