Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Kenarik Boujikian: pensar o indulto a partir das especificidades da mulher

 em Mulher Encarcerada

mulheresEm setembro, 128 entidades que atuam na defesa dos direitos humanos, entre as quais a Pastoral Carcerária Nacional, subescreveram um ofício ao Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) e ao Ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardoso, defendendo a proposta de efetividade do indulto atendendo as especificidades das mulheres.

O CNPCP, após a realização de audiências e acolhimento de sugestões, já enviou a minuta ao Ministro da Justiça.

As entidades apontaram dois pontos a serem considerados na elaboração do decreto pela presidente Dilma Rousseff, que contemplem, dentre as hipóteses previstas para a concessão do indulto/comutação: as mulheres condenadas por tráfico de entorpecentes, que tenham pena, ao menos, de até cinco anos; e as mulheres com filhos menores de dezoito anos e que, nestas situações, leve-se em conta um menor período de pena cumprida para sua concessão, priorizando-se, assim, a relação dos filhos com as mães, poupando-se as crianças e adolescentes o máximo possível das consequências da prisionalização da mãe, notadamente os danos emocionais decorrentes do afastamento.

Em recente artigo intitulado “Obama e Dilma: o encarceramento e as drogas”, publicado no site Viomundo, Kenarik Boujikian, magistrada do Tribunal de Justiça de São Paulo e cofundadora da Associação Juízes para a Democracia, comentou que tal qual nos Estados Unidos, no Brasil, os custos do sistema prisional são altíssimos, o aprisionamento em massa não levou à superação ou diminuição do tráfico de drogas e que a grande maioria da população atingida é de negros.

“O indulto é importante instrumento de política criminal, mas não é aplicado de modo eficaz, de modo a atingir número minimamente significativo de mulheres encarceradas. Vejamos alguns dados de 2014, referente ao indulto de mulheres: em São Paulo, apenas 65 foram indultadas; em Minas Gerais, 54 e no RS, 19. Os números pífios retratam a ineficácia do indulto, na forma como é exercida até agora. Os dados dos anos anteriores são ainda inferiores”, comentou Kenarik Boujikian.

Ainda segundo Kenarik, as mulheres presas representam 8% da população carcerária do Brasil, com alta porcentagem de mães presas, 80% do total. “Há um aumento do aprisionamento feminino, que não se circunscreve a delitos violentos; o aumento da taxa de encarceramento de mulheres presas se dá em razão de entorpecentes, sendo que a maioria por delito que envolve pouca quantidade de droga; 65% das mulheres encarceradas estão presas por delitos relativos às drogas, o que representa, proporcionalmente, um número três vezes maior que o de homens detidos pelo mesmo delito; o número de mulheres negras presas é proporcionalmente maior do que a população de mulheres negras”.

 

LEIA O ARTIGO COMPLETO NO SITE VIOMUNDO

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

Recommended Posts

Deixe um comentário