Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Comissões instituem Grupo de Trabalho para analisar situação da mulher encarcerada

 em Mulher Encarcerada

Por Ana Maria Rodrigues
Da Assessoria de Comunicação da OAB-GO

Representantes das Comissões de Direitos Humanos (CDH) e Especial de Valorização da Mulher (CEVM) da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO) reuniram-se com membros da Pastoral Carcerária e do Núcleo de Assessoria Jurídica Popular (Najup) da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás (UFG) para instituir um grupo de trabalho com o objetivo de discutir a situação das mulheres encarceradas e atuar na proteção jurídica.

Estiveram presentes Gilles Gomes, membro da CDH; Kleyton Caetano, membro da CDH e da Comissão de Direitos e Prerrogativas (CDP); Cristina Rezende, membro da CEVM; Irmã Petra Pfalle, Coordenadora Nacional da Mulher Presa da Pastoral Carcerária; Glauciene Praxedes, agente da Pastoral Carcerária; Luciana Oliveira e Marinna Machado, membros do Najup; Maria Lourdes Silva, representante da Assembleia Legislativa de Goiás.

Na reunião foram abordadas problemáticas na assistência à saúde das detentas, o acompanhamento jurídico e a superlotação das unidades prisionais. Gilles Gomes destacou a importância da reunião para discutir a deficiência do sistema prisional, as constantes violações à Lei de Execução Penal e aos direitos das mulheres presas e mostrar que é imprescindível pensar um novo modelo para a questão da infração penal.

“A sociedade civil organizada está buscando alternativas a essa violação reiterada e pode, além de fazer a denúncia sobre essas ilegalidades, proporcionar alívio a essa sucessão de desrespeitos que as pessoas sofrem dentro do sistema carcerário. Buscamos o diálogo e a organização para enfrentar esse estado de coisas que o próprio STF já disse que é inconstitucional”, declarou.

Há mais de 20 anos na Pastoral Carcerária, Irmã Petra avaliou positivamente o apoio da OAB-GO. “A mulher presa é hoje mais invisível no sistema prisional. Muitos esquecem que temos mulheres e crianças no cárcere”, destacou. Ela reforçou também a falta de visibilidade para a situação dos filhos das detentas.

Cristina Rezende, membro da CEVM e relações institucionais da Escola de Direitos Humanos, comentou que a comissão se integra para acompanhar a situação das mulheres no cárcere e garantir a efetivação dos direitos por meio da assistência jurídica. “A população carcerária é vista como ‘sem direitos’ e o papel social da OAB é resguardar os direitos de todos os cidadãos”, ressaltou.

O Najup, grupo de extensão da Faculdade de Direito da UFG, integra o grupo para reforçar a assistência jurídica às mulheres presas e trabalhar com a educação popular sobre direitos das detentas. “Esse tipo de contato é muito importante para nossa formação enquanto estudantes e cidadãos para que tenhamos percepção do que é o cárcere e suas mazelas. É uma situação degradante e desumanizadora”, pontua Luciana Oliveira, membro do NAJUP.

 

Últimos posts

Deixe um comentário