Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

CNPCT posiciona-se favorável a indulto para mulheres e contra à privatização das prisões

 em Mulher Encarcerada

SEM_PRISOESAo longo de 2015, a Pastoral Carcerária teve voz ativa no Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (CNPCT), órgão integrante do Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, que atua no acompanhamento e na proposição de ações e programas para a erradicação da tortura no Brasil.

Durante a 8ª reunião ordinária do Comitê, entre os dias 8 e 9 de dezembro, foi aprovada uma recomendação para que os governos estaduais e federais não privatizem os serviços carcerários no País, “especialmente no que tange às atividades de administração prisional, disciplina, segurança, transporte, assistência jurídica, médica, psicológica e social”. Entre outros apontamentos da recomendação também está a de que o Senado e a Câmara dos Deputados rejeitem qualquer proposta legislativa que tenda a permitir ou regulamentar a terceirização da execução de pena ou a privatização do sistema carcerário brasileiro.

LEIA A ÍNTEGRA DA RECOMENDAÇÃO

Na mesma reunião, o Comitê decidiu manifestar-se, em nota pública, pela defesa de que o indulto natalino contemple as especificidades da mulher presa. “O CNPCT reforça a necessidade de concessão pela Senhora Presidenta da República de indulto natalino que vise ao desencarceramento, dada a superlotação prisional e os índices alarmantes de aprisionamento no país. Em especial, o CNPCT ressalta que devem ser levadas em consideração as especificidades de gênero e as consequências danosas do encarceramento feminino, e reforça a importância de que o indulto natalino de 2015 contemple um número significativo de mulheres em situação prisional”, consta em um dos trechos da nota.

VEJA A ÍNTEGRA DA NOTA PÚBLICA

A Pastoral Carcerária, durante a reunião ordinária do CNPCT, fez reiterada defesa de que o Comitê divulgasse a nota pública e a recomendação.

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

 

Últimos posts

Deixe um comentário