Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

CNPCT manifesta apoio ao indulto no Dia da Mulher

 em Mulher Encarcerada

mulher_presaEm 8 de março se comemora o Dia Internacional da Mulher, dia de resistência e de luta pelo direitos das mulheres.

No Brasil, muitas delas estão nas prisões e por isso organizações de defesa de direitos humanos, como a Pastoral Carcerária, defendem que se reveja o encarceramento feminino no País. Esse propósito ganhou adesão em 2 de março do Comitê Nacional de Prevenção e Combate á Tortura (CNPCT), por meio de nota pública.

CLIQUE E LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA

Conforme a nota do CNPCT, o encarceramento de mulheres no Brasil vem aumentando ano a ano, sendo que a maioria, 68%, estão detidas por tráfico. “Vale ressaltar que são raras as mulheres presas por ocuparem cargos de gerência no tráfico, sendo a maioria delas ‘mulas’ ou usuárias”, consta em um dos trechos.

Ainda na nota, o Comitê destaca que “grande parte das mulheres encarceradas é mãe, o que acarreta consequências graves, como a perda do poder familiar sobre os filhos e a ruptura com os laços de afeto e convivência, como pesquisas recentes vêm apontando. Além disso, o encarceramento, ainda mais em condições desumanas e de violações sistemáticas de direitos é fator que potencializa a ocorrência de práticas de tortura e maus tratos”.

Por fim, o CNPCT enfatiza a necessidade de que seja concedido pela presidenta da República o indulto/comutação comemorativo ao Dia da Mulher, “contemplando-se nas suas hipóteses de concessão às mulheres condenadas nos termos do artigo 33, da Lei 11343/06, que pena de até cinco anos de reclusão, levando-se em consideração as especificidades de gênero e as consequências danosas do encarceramento feminino. Nos casos em que não seja possível a aplicação do indulto, recomenda-se a comutação de pena de modo a facilitar a progressão de regime e o cumprimento da pena restante em regime aberto, fortalecendo laços de afeto e oportunidades de ressocialização”, finaliza a nota.

 

FAÇA PARTE DA PASTORAL CARCERÁRIA

 

Últimos posts

Deixe um comentário